Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Pensamentos Nómadas

Nomadic Thoughts - Pensées Nomades - Кочевые Мысли - الأفكار البدوية - 游牧理念

Pensamentos Nómadas

Nomadic Thoughts - Pensées Nomades - Кочевые Мысли - الأفكار البدوية - 游牧理念

Uma perspectiva crítica sobre o "Exército de Aleppo", por Luís Garcia

 

 

o caralhinho de Aleppo

 

Luís Garcia POLITICA SOCIEDADE 

 

 

Muita gente por esse mundo fora vê al-Assad como um ditador genocida sanguinário. Eu discordo mas, cada um crê no que quer, racionalismo e pensamento crítico não são obrigatórios em lado nenhum. Se fosse, quiçá a pacifista multidão anti-al-Assad se visse também obrigada a provar, objectivamente, de onde foi tirar a "sua" opinião sobre a-Assad. Eu aqui proponho o exercício contrário, tentar provar, racionalmente, que os heróicos "rebeldes moderados" são terroristas extremistas ou, então, não existem!

 

Os EUA e seus beija-cus europeus afirmam que os russos, de forma "criminosa e irresponsável", "não distinguem rebeldes de terroristas e bombardeiam todos indiscriminadamente". Por outro lado, esses mesmo rebeldes e/ou terroristas, perante as perdas diárias de território em Aleppo leste, colocaram de lado todos seus rótulos (al-Qaeda, Frente Islâmica, Soldados de al-Aqsa, Exército da Conquista, Ahrar al-Sham, Jaysh al-Islam, etc. para os terroristas, Exército de Libertação Sírio para os rebeldes moderados) e anunciaram ao mundo que agora lutam todos juntos (hehe, que espanto) sobre um único nome: O Exército de Aleppo!

 

Ora, durante os últimos 3 meses, perante as investidas militares da Rússia, Síria, Irão e Ezbolá contra os "ocupantes" de Aleppo leste, os EUA e seus estados vassalos têm insistido vezes sem conta que essas investidas, a terem lugar, deveriam realizar-se apenas contra os ocupantes terroristas e jamais contra os ocupantes "rebeldes moderados". Tudo bem, sempre afirmou a diplomacia russa pela voz de Lavrov, apesar de ser lunática a exigência. Tudo bem, sempre disse Lavrov, e a Rússia comprometeu-se oficialmente, através de acordos assinados directamente com os EUA, a bombardear apenas terroristas da al-Qaeda (al-Nusra) e seus pares e a poupar as vidas dos "rebeldes moderados". Mas com uma condição: que os EUA fornecessem todos os dados na sua posse que provassem quem era rebelde moderado e quem era terrorista, assim como as suas localizações exactas dentro de Aleppo leste, nomes de líderes, etc. Sempre omitido pelos media ocidentais como a merda da RTP, o facto é que os EUA nunca conseguiram provar a diferença entre terroristas e "rebeldes moderados" e, em consequência, a Síria, a Rússia e seus aliados partiram para a reconquista de Aleppo leste sem diferenciar nenhum grupo armado lá estabelecido.

 

Sinceramente, é preciso estar imensamente distanciado da questão síria para acreditar que num terço da área de Aleppo pudessem coabitar em perfeita harmonia várias organizações terroristas como a al-Qaeda, Frente Islâmica, Soldados de al-Aqsa, Exército da Conquista, Ahrar al-Sham, Jaysh al-Islam, com os humanistas "rebeldes moderados", sem que dessa coabitação resultasse a mistura entre o "mal" e o "bem", hehe. Aliás, quando se vê uma cara famosa do "bem" (ler rebelde moderado do "Exército de Libertação Sírio" que aparece piscando o olho no vídeo abaixo), degolando uma criança palestiniana de 12 anos em Aleppo pelo crime de ser palestiniano, uma pessoa pergunta-se "que raio de bem é esse", mas enfim... E uma pessoa pergunta-se porque toda a gente no ocidente viralizou nas redes sociais a sua "tristeza" para com a suposta morte do palhaço da al-Qaeda, enquanto cagaram em silêncio para a morte deste rapaz palestiniano: 

 

 

 

Para a diplomacia dos EUA, a falsa questão era a de separar o trigo do joio, pois sim, mas a verdadeira questão é antes se há alguma diferença entre al-Qaeda (e seus pares), ISIS e "Rebeldes moderados". Uma pessoa bem informada sobre o assunto (e sim, neste ponto podem me chamar de arrogante) já se cansou de ver os mesmos nomes e as mesmas caras saltando de uns grupos para os outros, para a frente e para trás, como uma bola num jogo de ténis. Saltam em função da quantidade de armas recém-lançadas do céu por aviões de carga dos EUA. Saltam em função das mudanças salariais propostas aos mercenários... Uma pessoa mal informada pode procurar informar-se ou, se não lhe interessar o assunto, permanecer calada. Vomitar tristezas sobre "palhaços" virtuais da al-Qaeda é que não, um pouco de pensamento crítico por favor!

 

 

Mas foquemo-nos na diplomacia russa, a dos "bárbaros imperialistas" russos. A Rússia sempre se mostrou disponível a acreditar de imediato na mentira de diferença entre terroristas e "rebeldes", tão pronto lhes chegasse às mãos as provas. Como não chegaram, desencadeou-se a batalha final pela libertação de Aleppo leste. Se russos e sírios fossem bárbaros sanguinários como os nossos media prostituídos os intitulam, não vejo por que raio haveriam de complicar uma coisa tão simples. Não vejo porque não actuam à gringo: despejar uma chuva de bombas, matar tudo o que se mexe e partir tudo o que existe em Aleppo leste e, 2 ou 3 dias depois, declarar Aleppo leste livre de terroristas (e de tudo o mais). Mas não , esses tolinhos do Putin e do al-Assad metem-se a brincar aos humanitários abrindo corredores pelos quais os terroristas/rebeldes possam fugir impunemente! Para quê, para depois reencontrá-los vivos e rearmados, em combate, numa outra zona da Síria? Olha que suicidas estes 2, a ser assim! Ou, não será antes o caso dos "sanguinários" Putin e al-Assad preferirem não matar rebeldes/terroristas, a correr o risco de matar civis? Mmmm, mas há um problema para uma mente crítica: onde encaixa esta estratégia de poupar vidas humanas com a omnipresente histeria anti-al-Assad e anti-Putin dos nossos media? Em lado nenhum, não encaixa em lado nenhum! Por isso é preciso anestesiar a ovelhada com supostas mortes de supostos palhaços supostamente de Aleppo, espalhando propaganda da equipa de relações pública da al-Qaeda/Exército de Libertação Sírio: os White Helmets e, especificamente, de um dos seus membros, Mahmoud al-Basha, o suposto irmão do suposto palhaço supostamente de Aleppo (https://twitter.com/mahmoud_basha8).

 

Para os que não sabem o que é o White Helmets (candidatos ao Nobel da Paz 2016, imagine-se o delírio!), partilho aqui um pequeno vídeo de 4 minutos, seguido de um documentário de 1h12m:

The White Helmets, a Western ONG Terrorist Organization

 

The White Helmet exposed, by Vanessa Beeley

 

Voltando à Rússia e ao que se tem passado nos últimos 12 dias em Aleppo, à medida que as forças sírio-russas vão reconquistando bairros atrás de bairros em Aleppo leste, os EUA reagem exigindo o que não podem exigir, ou seja, que haja um cessar fogo. Para quê? Porquê? Porque, segundo os EUA, cada vez há menos terroristas em Aleppo leste, porque cada vez há mais "rebeldes moderados" (!?!) e porque estes últimos precisam de receber "ajuda humanitária" ocidental. Ora os russos têm uma visão completamente oposta. Dado que os EUA não apresentam as provas que poderiam diferenciar terroristas de "moderados" e dado que desde há dias todos os grupos armados dentro de Aleppo leste se uniram oficialmente sobre um único nome, o Exército de Aleppo, a Rússia e a Síria só têm um objectivo: remover esses mercenários ilegalmente estabelecidos em Aleppo, cidade do estado soberano da Síria. Assim sendo, e dado também o historial de cessar-fogos usados pelos EUA para rearmar os seus grupos terroristas em solo sírio, a batalha continuará até que a cidade fique livre por completo desses mercenários. Simples! O major-general russo Igor Konashenkov, no vídeo seguinte, expõe muito bem todas estas contradições e mais algumas:

 

 

Quero vos falar de uma delas, a minha preferida, por ser um exemplo perfeito de pensamento crítico. De forma irónica mas lógica, e aceitando a premissa norte-americana sobre a distinção absurda entre al-Qaeda e o Exército de Libertação Sírio,  o major-general Igor Konashenkov argumenta que, sabendo que a al-Qaeda não possui meios tecnológicos que lhe permita fazer recolha de dados militares de reconhecimento (satélites, drones espiões, etc), não é possível acusar a al-Qaeda de ter atingido com roquetes o recém-instalado hospital de campanha russo, acto do qual resultou a morte de duas médicas russas. Os "rebeldes" e/ou terroristas encontram-se completamente cercados numa diminuta parte de Aleppo e são alvos de investidas russo-sírias 24 horas por dia, excluindo-se assim a hipótese de poderem ter enviado espiões fazendo reconhecimento de território, os quais teriam encontrado o hospital acabado de instalar. Se não foram os terroristas da al-Qaeda que atacaram o hospital (ver vídeo abaixo), e sabendo que os roquetes partiram de Aleppo leste ocupada por terroristas e "rebeldes", então o criminoso ataque ao hospital só pode ter sido realizado pelos "rebeldes". E esses sim, porque são boa "gente moderada", porque são oficialmente patrocinados pelos EUA, poderiam ter recebido dos EUA, Reino Unido ou França as coordenadas precisas do novo hospital cuja a existência desconheceriam por completo. O que se tira desta história?

 

Que, ou al-Qaeda e Exército de Libertação Sírio (ELS) são a mesma coisa e portanto o ELS é uma organização terrorista ou, que O ELS, não tendo nada a ver com a al-Qaeda, é uma organização terrorista pois ataca com roquetes hospitais em Aleppo libertada graças aos dados de reconhecimento oferecidos pelo Ocidente. Conclusão extra: EUA e seus estados vassalos, se fornecem dados de reconhecimento aos seus aliados "moderados" que acabam sendo usados na realização de actos terroristas... epá, foda-se, são estados terroristas! Ou, se fornecem dados de reconhecimento ao ELS que é também al-Qaeda... epá, foda-se, são estados terroristas! Mas quem é que ainda não percebeu isto após todos estes anos de acumulação de provas?

 

 

Para finalizar, que dizer da última decisão da Câmara dos Representantes norte-americana sobre o conflito sírio, hein!?! Aconteceu no dia 2 de dezembro, nos EUA mas, pelos vistos, os órgãos de comunicação do humanista mundo livre, hehe, como a RTP ou a Globo, não deram por nada, ora bolas! A dias de Barack Owar se ir embora,  com 375 votos a favor e 34 contra, a Câmara dos Representantes dos EUA aprovou um projecto de lei que impedirá a cooperação militar entre os EUA e a Rússia, logo agora, a dias de Trump tomar posse como presidente dos EUA, esse mesmo Trump que prometeu cooperação militar entre os EUA e a Rússia com o objectivo de por fim ao conflito sírio!?! Ahhhhhhhhhh........ lindo!

 

Luís Garcia, 08.12.2016, Chengdu, China

 

 
Vá lá, siga-nos no Facebook! :)
visite-nos em: PensamentosNómadas