Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Pensamentos Nómadas

Nomadic Thoughts - Pensées Nomades - Кочевые Мысли - الأفكار البدوية - 游牧理念

Pensamentos Nómadas

Nomadic Thoughts - Pensées Nomades - Кочевые Мысли - الأفكار البدوية - 游牧理念

Um outro Pensamento Nómada no Boom!, por Pedro Anacleto

 

  

boom2.jpg

    ANACLETO  SOCIEDADE

 

Sobre o Boom Festival, a opinião de quem lá foi uma vez.


Sobre aquilo que é transversal a todos os festivais de verão em Portugal não é preciso falar muito.Eu vou então focar-me (e sem muito detalhe) apenas nos fatores que me levam a pensar que o Boom é fundamentalmente diferente da maioria dos festivais em Portugal.

 

Já muitos lemos por aí críticas em relação ao preço do bilhete. O Boom acaba por ser mais barato do que os festivais mais conhecidos como Alive, SBSR, etc. Mesmo comprando o bilhete do Boom na 3ª fase de venda, em que o preço é mais alto (180eur), 180 eur por 7 dias. (exemplo: Alive: 120eur - 3 dias)

 

O que salta logo aos olhos, no Boom não há lixo no chão, não há beatas no chão. A organização entrega um cinzeiro portátil por pessoa logo à entrada. As casas de banho estão sempre incrivelmente limpas.Todos os resíduos produzidos podem ser depois utilizados para adubarem os terrenos.Só é preciso dizer isto, eu e toda a gente caga de bom grado numa casa de banho do bom, é como cagar em casa.

(ver links no final com Eco Letter do Boom)

 

A comida é magnífica. Existe de tudo para todos. Os preços são os mais acessíveis de qualquer festival. Refeições completas por 5-6 eur. Esse foi outro aspeto importante que me marcou. Poderia alargar-me aqui a descrever toda a oferta mas não o vou fazer

.

No Boom podem-se fazer férias. Podes acordar e ir passear para a praia, correr, ver as múltiplas instalações de arte, ir meatings, e ao museu,fazer yoga (entre múltiplas outras “atividades relacionadas”) ir ao mercado (dentro do Boom) comprar produtos para fazeres uma saladinha, ou simplesmente ir diretamente para um palco onde haja som. O Boom tem tanto espaço e tanto para ver e fazer que se aconselha levar uma bicicleta.

 

No Boom há água à borla! Elemento essencial que te vai fazer poupar muito dinheiro. Existem umas torneirinhas onde podes encher a tua garrafa a qualquer hora do dia. No Boom existem hortas que foram criadas especialmente para os utentes, “feel free to take what you need for your salad” (algo do estilo).


No Boom existe, num dos palcos, um sub-woofer de 16m de largura e 1.8m de altura e as colunas são Funktion 1. Para quem não liga muito a isso, as colunas do Boom são tipo o formula 1 das colunas. O som sai sempre com a melhor qualidade possível. A experiência é incrível!

O Transe Psicadélico é rei no Boom. Quem não goste pode, como eu, aprender a gostar. Quando fui, a larga dos meus amigos não gostava de trance e agora é o que se vê.No entanto há mais oferta nos vários palcos.

 

No Boom não há publicidade. É tudo pago com os 130eur, 150eur, ou 180eur, (3 fases de venda de bilhetes), e com aquilo que lá deixas em comida e bebida. Volto a frisar, curiosamente é tudo mais barato, mais limpo, com menos filas, com muuuuuuuuuuiuto mais espaço do que certamente todos os “outros” festivais. Dá a sensação que a organização do Boom espera que te divirtas e sintas algo realmente diferente daquilo que é oferecido por aí.

 

Sei que muita gente não vai na onda nem à bola com cenastranscendentes new-ages. Pois bem, nem eu! Mas também não me parece que o Boom Festival esteja sequer à procura dessa identidade. Apenas para “intercetar” o último artigo sobre o Boom publicado neste blog:
Na última edição do Boom fui assistir a uma palestra "new age". Não tive muita sorte e aquela a que assisti era um pouco ridícula. Preocupou-me? Não. Eram 50 pessoas ali, 35.000 noutro lado qualquer. Muitas delas não sabiam o que estavam ali a fazer, foram como eu, foram ver. E não há qualquer problema em ver ou ouvir algo com que não se concorda muito. No entanto o Boom oeferece isto: "The Liminal Village presents lectures, workshops and discussion panels on environmentalism, natural living solutions, visionary activism, integral nutrition, conscious dancing, ancient rites and mythology, therapeutical use of entheogens and medicine plants, hacktivism and social media, evolutionary life styles, political action for change…"Daqui, os céticos posso excluir automaticamente certos tópicos por não encontrarem neles qualquer fundamento científico. Eu sou um tipo de ciência. No entanto fico extremamente surpreendido e contente com outros tópicos presentes neste festival, de extrema relevância e precisão científica. No Boom se nalgum momento se misturar algum wishful thinking com hard science,por mim tudo bem. A organização do Boom tem algo a dizer, como vamos ver mais abaixo.

 

No entanto, fica a dica, noutros festivais podes ir à banca da Vodafone ganhar chapéus de sol, na banca da EDP changar toalhas, sacos de praia na Sumol, canetas e pins do Ice Tea, tirar uma selfie com um M&M gigante, apanhar 100 copos de plástico do chão para ganhares 2 cervejas, tentar ir para a zona vip ver o pessoal da TVI, and so on.

 

“Somos um”, “We are love”, etc … temas e lemas do Boom. Secalhar devíamos ouvir isso mais vezes não? Não que eu acredite que desejar coisas com muita intensidade vá resultar nalguma coisa. Mas tal como um documentário pode ser uma ferramenta para continuarmos a explorar uma ideia pela qual vale a pena lutar, também estas mensagens e a experiência de uma semana de Boom o sejam.


Como eu também sei que o autor do outro artigo sobre o Boom gosta bastante do Venus Project, e das ideias do Jacques Fresco, pode-se ver (abaixo) que o Boom Festival é certamente aquele em Portugal que se aproxima dessas ideias e ideais. No final do Boom, toda a gente recebe uma newsletter com um relatório dasmatérias primas que se gastou, tudo descriminado, a sua origem … ver links abaixo.

 

(Fazer download, descompactar e tem 10 fotos com Eco Letter do Boom É seguro, fui eu que criei) e depois pensem no Nos Alive, no Sudoeste, no Paredes de Coura, no SBSR)

 

http://www.mediafire.com/download/m95th6bcxzb6lzo/Boom_Eco_Letter.rar (Eco Letter)

https://www.boomfestival.org/boom2016/news/boom-news/boom-newsletter-dec-2014/

 

O Boom é altamente (minha opinião). Sim há lá uns quantos daqueles que andam apaixonados pelo mundo e pelas energias e essas tretas maradas, mas o número e insignificante. Mas ele os há em todo o lado. O Boom não é de todo uma convenção hippie. É um festival de trance psicadélico. Ninguém se propõe a salvar o mundo e se o fizesse era arrogante. Parece-me que a organização do Boom é bastante científica e Hands On, o que se pode ver pelos vários prémios já recebeu devido à aplicação prática da ciência e tecnologia.

 

- European Festival Award 2010 - Green'n'Clean Festival of the Year

- Greener Festival Award Outstanding 2008

- Greener Festival Award Outstanding 2010

 

Um sentimento que me encheu quando chegou o ultimo dia do Boom foi a tal tristeza do “oh, já acabou”, mas também de algum orgulho (não sou muito orgulhos), de sentir que há uma organização que faz tal coisa em Portugal. Sobre quem vai ao Boom não me interessa.

Sobre quem vai ao Boom e aquilo que fazem, como se apresentam e as suas escolhas não me interessa. Muito já se escreveu sobre as “qualidades” das pessoas que vão ao Boom. Para mim, é ruído de fundo. Todos diferentes, todos iguais.

Siga, po Dance Templeatão!

Pedro Anacleto

 

 

 
Vá lá, siga-nos no Facebook! :)
visite-nos em: PensamentosNómadas

1 comentário

Comentar post

Publicidade

Categorias

POLITICA - banner

SOCIEDADE - banner

VIAGENS - banner

RELIGIÃO - banner

ECONOMIA

Literatura

Tecnologia

CIENCIA

FOTOGRAFIA

EN FRANÇAIS

IN ENGLISH

 

Livros em PDF - LISTA DE AUTORES POR ORDEM ALFABÉTICA

Os Nossos Artigos em PDF

Arquivo

O gestor do blog

foto do autor

Siga o blog

Follow