Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Pensamentos Nómadas

Nomadic Thoughts - Pensées Nomades - Кочевые Мысли - الأفكار البدوية - 游牧理念

Pensamentos Nómadas

Nomadic Thoughts - Pensées Nomades - Кочевые Мысли - الأفكار البدوية - 游牧理念

Resumo do conflito sírio - parte 4, por Luís Garcia

 

 

resumo do conflito sírio p4.jpg

 

Luís Garcia POLITICA 

 

Organigrama do conflito

Formato Original  Formato Reduzido

 

ISIS ou Estado Islâmico

Eu que não gosto muito siglas, ainda assim, prefiro tratar o ISIS por ISIS, pois usar a sigla distancia o nome usado (ISIS) das mentiras que nos querem fazer acreditar sobre o ISIS. Com isto quero dizer que não consigo chamar Estado Islâmico a uma organização terrorista criada pelos EUA e que não é nem um estado nem é islâmica. Tretas do género só servem a tretas de media que ao usar o termo "estado" acreditam poder fazer sobre o ISIS referências e análises típicas de "estados" e não de "organizações terroristas". Poder podem, mas é prostituição e propaganda pura. Por entre toda essa javardice jornalística sobre o ISIS encontram-se análises ao Produto Interno Bruto (PIB), às fontes de rendimento e à colecta de impostos, com detalhes grotescos do género "para compensar a diminuição da venda de petróleo, o Estado Islâmico aumenta as multas por não cumprimento da xaria", imagine-se! Que grandessíssima anedota para ovelha ler. Pois é, dá muito jeito falar de forma eufemista sobre o ISIS, e acrescentar detalhes afogados em eufemismo. É que assim evita-se falar das questões pertinentes:

  • Como conseguem o ISIS ter comunicações móveis e internet no território que roubou à Síria? Simples, várias empresas francesas fazem-no, a troco de dinheiro, claro está. Fornecem cobertura à rede móvel e internet por telemóvel e por satélite. As empresas envolvidas defendem-se alegando que é difícil saber ao certo a quem vendem os seus produtos. Treta, pois na Síria de al-Assad, pelo contrário, o criminoso embargo ocidental torna muito difícil o uso de comunicações digitais nesse país.
  • Como se financiam? Raros são os media ocidentais vendidos que se referem às antiguidades roubadas, mas é um facto que elas aparecem à venda na Europa e EUA. Muitos falam da extracção de petróleo do ISIS mas enterram-se à bruta quando se metem a falar de "mercado negro". Mas qual "mercado negro", então e embargos/sanções? Eu explico-me. Primeiro, petróleo, pela sua natureza e pelo volume consumido, não é coisa que ande no bolso ou que se esconda num caixote por baixo do banco do carro. Não existe mercado negro de petróleo e quem diz o contrário deveria suicidar-se de tão infinitamente absurdo ser o disparate proferido. Não é possível existir mercado negro de petróleo nas condições que nos querem fazer crer os media prostituídos. Então poderosos estados modernos como a Rússia ou o Irão sofrem enormes danos económicos quando se apanham na guerra económica e ilegal dos embargos e sanções ocidentais... e o ISIS, por magia, despacha petróleo por debaixo da manga, ora essa! Não, não e não! Pelo contrário, o roubo de petróleo pelo ISIS à Síria é óbvio, escandalosamente óbvio e bem documentado. A Força Aérea da Rússia disponibiliza gigabites de dados na forma de fotografias e vídeos aéreos de alta resolução. É claro e óbvio que o petróleo roubado é (era) levado em camiões cisterna turcos até à costa do sudeste da Turquia. É claro e comprovado que o petróleo é (era) carregado em petroleiros aí estacionados. É claro e comprovado que depois de cheios seguem (seguiam) para Israel e para Itália. Quem em Israel e na Europa paga por esse petróleo vindo do sudeste da Turquia só não sabe a origem do petróleo se não quiser, pelos factos que acabei de referir e pela possibilidade de análise química e comparação desse petróleo com amostras de petróleo dos locais de onde seria suposto vir (Arábia Saudita, Irão, etc,). Na Europa consumimos petróleo do ISIS e as empresas energéticas privadas sabem-no muito bem. Se não fossemos nós europeus (quase totalmente) uma massa amorfa de ovelhas consumistas adormecidas, seria bem fácil, pelo poder das leis vigentes, obrigar os nossos governantes e as empresas europeias privadas a tornar público tudo o que sabem, assim como poderíamos julgá-los por todos os crimes dos quais são actores ou cúmplices.  
  • Como conseguem obter armamento? Os media prostituídos dizem que o conseguem graças à venda de petróleo. Sim, mas compram onde e a quem com esse dinheiro ilegal? Ninguém parece ter resposta, é demasiado difícil explicar como é que o ISIS consegue obter o mais moderno equipamento militar produzido nos EUA e na Europa!  Por supostos erros dos EUA, por supostos erros dos aliados dos EUA, por ajudas dos aliados dos EUA ao ISIS, e por aí fora... já lá iremos.
  • Qual a origem dos seus combatentes? Já escrevi na parte 3, e insisto, que o ISIS começou com a transformação em mercenários terroristas de polícias e militares iraquianos (uma grande percentagem deles cristãos) despedidos no tempo de Saddam Hussein por ordens de George Bush. Depois estendeu-se num recrutamento mundial de cidadãos de mais de 100 estados, sobretudo em países como a França onde se joga um perverso jogo duplo: não se ouve as vozes de franceses árabes laicos e de franceses muçulmanos sensatos (Bassan Tahhan é um excelente exemplo), queixando-se às autoridades sobre a propaganda terrorista implementada desde as mesquitas francesas e financiadas por estados bárbaros como a Arábia Saudita e o Catar. Mas fazer o quê, em França (como nos EUA) a elite prefere deixar-se comprar por esses árabes da península arábica, permitem que se compre equipas de futebol como o PSG e votam para a realização de mundiais de futebol onde comprovadamente se pratica escravatura (Catar 2022). Interessa é ver milhões em contas pessoais perdidas em paraísos fiscais. E viram a cara aos factos, a meio caminho entre corrupção descarada e consentimento de terrorismo dentro das suas fronteiras. Depois, quando ocorrem atentados em França sobre circunstâncias absurdas e mal contadas, por muita boa vontade que eu tenha para tentar não acreditar em teorias da conspiração incriminando as autoridades francesas, não deixo contudo de notar que a França, em vez de emendar o erro e começar a combater o que acima indiquei, prefere bombardear de forma absolutamente ilegal e criminosa... a Síria, pois claro! A culpa do terrorismo em França... é das vítimas do terrorismo na Síria, ora essa!!!, mesmo sabendo que o terrorismo na Síria é produzido pela NATO da qual a França faz parte, mesmo sabendo que a França de forma oficial fornece dezenas de milhões de euros aos criminosos terroristas que apelida de "rebeldes", mesmo sabendo que desses "rebeldes" faz parte a al-Qaeda que ainda hoje é oficialmente inimiga das forças francesas no Afeganistão, mesmo sabendo que se encontram por entre os prisioneiros de guerra do estado sírio muitos militares franceses! E por aí fora!

 

De onde veio o ISIS?

Segundo Barack Obama (Barack Bush é o nome mais apropriado), "foi a opressão de al-Assad sobre o seu povo que ajudou ao crescimento do ISIS dentro do seu país"! Como assim, que fórmula mágica é essa: mistura-se um "ditador sanguinário" com um povo descontente protestando na forma de cânticos e cartazes, adiciona-se um pouco de água morna e... zás, começam a cair de para-quedas (literalmente) munições, equipamento de guerra e terroristas para ajudar a destronar al-Assad e destruir por completo o país! Ganhai juízo, não quem profere disparates do género, mas quem neles acredita!

 

A realidade é bem diferente dessa obamiana baboseira. Foram os EUA e alguns dos seus aliados europeus e do golfo que criaram o ISIS, que organizaram o seu treino por entre o Afeganistão, o Kosovo ou Turquia e que para destronar al-Assad o exportaram para a Síria. Quem não acredita em tal acusação e que ao mesmo tempo acredita na omnipotência das Forças Armadas dos EUA que me venha aqui explicar como é que em 2014, dezenas de milhares de homens armados (terroristas do ISIS) atravessaram centenas de quilómetros pelo mais que plano deserto que separa o Iraque da Síria sem que essas omnipotentes, omnipresentes e omniscientes forças armadas gringas estabelecidas no Iraque ocupado tenham visto nada, e muito menos reagido? Como é possível que as mais poderosas forças armadas de sempre não tenham podido fazer a missão mais fácil de sempre: detectar milhares de homens e jipes atravessando um deserto sem abrigos nem meios de camuflagem, alvos demasiado fáceis para um aniquilador ataque aéreo facílimo de realizar e do qual ninguém sairia vivo? Os EUA despejaram mais bombas sobre o Laos do que todas as bombas usadas na Segunda Grande Guerra Mundial, e fizeram-no limpando do mapa florestas, cidades e aldeias, numa complicada cadeia montanhosa, com o absurdo objectivo de cortar o abastecimento às tropas comunistas do Vietname. E não podiam ter gasto 0,00000001% dessas bombas para mandar ao ar um bando de trogloditas conduzindo jipes sobre a areia de um deserto! Para quem acredita que os EUA combatem de verdade o ISIS, só tenho uma resposta: méééééé´!

 

Para os outros, aconselho-vos a ler o livro de John Perkins intitulado Confessions Of An Economic Hitman. Perkins, com o conhecimento de um reformado que já realizou o mesmo tipo de trabalho por ele descrito, resume muito bem os 3 modelos do processo norte-americano de destruir governos de países não-submissos ao seu imperialismo económico. Num primeiro momento enviam-se economic hitmen, como ele próprio, com o objectivo de corromper os governantes do país alvo. Se se falha, passa-se para o modelo seguinte: fazer desaparecer de doença, de acidente aéreo ou de golpe popular pacífico/violento o chefe de estado incorruptível. Se tudo falha, passa-se ao terceiro modelo: a intervenção militar (a guerra). Existem dezenas de exemplos perfeitos de países para cada um dos 3 modelos, mas destaco o Iraque de Saddam Hussein por ter passado pelos 3! Ora, voltando aos terroristas do tema deste artigo, o ISIS encontra-se algures entre o 2 e 3 modelo e faz parte da doutrina de guerra por procuração (guerra de proxy) que os EUA tanto tem usado desde que as guerras directas de George Bush queimaram o pouco que sobrava de positivo na imagem dos EUA. Mais precisamente, o ISIS encontra-se a meio caminho entre a guerra civil provocada por fora e a intervenção militar directa pois, se por um lado os EUA alimenta o ISIS da mesma forma que alimentou revoluções armadas por esse mundo fora (Chile 1973, por exemplo), por outro, ao invadir com organizações e homens que não são, não se dizem nem sem sentem membros do país invadido (ISIS), os EUA de facto faz a guerra contra esse país, não com o seu exército regular, mas antes com o seu irregular exército de mercenários (ISIS). O resultado, para os sírios, é sensivelmente o mesmo.

 

Armamento do ISIS

Se a entrada do ISIS começou pelo deserto sírio-iraquiano em 2014, desde lá até hoje, a maior parte dos mercenários do ISIS entraram na Síria pela fronteira que esta tem com a NATO: a Turquia. O resto entrou pela Jordânia e Israel. Como é possível que esse países tenho permitido? Ahahaha, aí está, bela pergunta. Imagens/vídeos aéreos e terrestres de mercenários do ISIS andando de trás para a frente entre Turquia e Síria é coisa que não falta. Assim como os que provam o trabalho conjunto entre ISIS e Forças Armadas da Turquia (NATO). Também não falta turcos presos em prisões turcas por terem tornado públicas provas sobre o facto.

 

Forças Armadas Turcas e ISIS colaborando entre si

 

Quanto ao armamento, que durante 2 anos parecia chover em favor do ISIS, e deixando de parte as questões económicas da treta, podemos falar de 4 modalidades de recepção de armamento:

 

1 - pela Turquia, mais uma vez, de onde também entravam mercenários e por onde saíam todos os artefactos e petróleo roubados, e onde se encontravam vários campos de treinos e depósitos de armamento destinado ao ISIS. Detalhe muito interessante, a "guerra civil" na Síria começou em 2011, o ISIS entrou em jogo em 2013, mas os túneis secretos mais antigos (na fronteira turco-síria) usados pelo ISIS/Turquia para fazer entrar discretamente armamento na Síria... datam de 2007. Hein?

2 - por "erros" da Força Aérea dos EUA que vezes sem conta largou de para-quedas armamento, munições, comida e medicamentos sobre território controlado pelo ISIS, "acreditando", os coitadinhos dos gringos, se tratar de territórios dos santos rebeldes ou dos santos curdos. Méééé!

3 - por prendas dos seus altruístas compadres da Oposição Síria, nomeadamente a al-Nusra (al-Qaeda, sim, criação norte-americana) que umas vezes são amigos e aliados e outras vezes são inimigos no campo de batalha. Já lá irei a esta tremenda contradição.

4 - o mágico deserto onde rezas se materializam em materiais necessários caídos do céu... ahahahah!

 

Aliados do ISIS

Em primeiro lugar, há que decidir se o ISIS é uma organização ou várias. Segundo o Pentágono e até mesmo os supostos líderes do ISIS, este subdivide-se em inúmeros grupos. Decidi contudo não os incluir no organigrama (confusão a mais que não vale a pena) pois representam todos o mesmo: mercenários pagos, lobotimizados com ideologias de morte, caos e horror, prontos a fazer eclodir a barbárie onde quer que os seus patrões decidam. Abri uma excepção para o Fateh al-Islam no organigrama, pois é um exemplo perfeito de interligação entre ISIS e a assim chamada "Oposição Síria": Já lá irei.

ISIS Fatah al-Islam

De uma forma muito resumida, demos uma olhada agora aos aliados, da direita para a esquerda como aparecem no organigrama:

 

OPOSIÇÃO SÍRIA: - por entre a miríade de grupos, subgrupos e sub-subgrupos que compõem essa rede maquievélica de caos e destruição, há quem se declare oficialmente inimigo do ISIS e quem se considere oficialmente aliado, mesmo que de forma não oficial sejam o oposto de uma ou outra coisa ou as 2 ao mesmo tempo. Mas para não nos perderemos na análise desta orwelliana rede que foi feita de forma a que nos percamos ao a analisar, peguemos num exemplo concreto: a Fateh al-Islam encontra-se no nordeste do Líbano, junto à fronteira com a Síria, onde é conhecida como um sub-grupo do ISIS composto por palestinianos. Sim, palestinianos, apenas umas centenas, mas é triste vê-los enrolados nesta escumalha de criminosos ao mesmo tempo que quase todas as forças de auto-determinação do povo palestiniano se batem lado a lado com sírios e russos pela libertação da Síria. Enfim! Por outro lado, este mesmo Fateh al-Islam, do lado sírio da fronteira, é reconhecido pelo al-Qaeda (que na Síria se chamava al-Nusra e desde há 2 meses se chama Fateh al-Sham) como seu membro/aliado. Dentro da Síria, a al-Qaeda (al-Nusra) é reconhecida por parte da Oposição Síria como uma força sua integrante. Em resumo, a Fateh al-Islam é um braço do ISIS (no Líbano) que na Síria é membro da Oposição Síria, que por sua vez é apoiada pelo EUA e NATO... Mais, se assistirem ao primeiro vídeo no topo deste artigo, podem constatar como para membros da Oposição Síria, o ISIS é uma organização que, "embora cometa erros como toda a gente", está ao lado dos seus "irmãos" da Oposição Síria na "luta contra o regime de al-Assad". Declarações do género é coisa que abunda...

 

TURQUIA - Patrocinador principal até à pouco, por onde tudo entrava e saia, sob as ordens do EUA, como já aqui foi dito várias vezes. Depois do golpe falhado dos EUA contra Erdogan, a Turquia passou oficialmente a combater o ISIS. Uma grande treta, pois o que o planeta inteiro não conseguiu (Síria e aliados) ou não quis conseguir (EUA e aliados) destruir em 2 anos, a Turquia despacha em 2 semanas, conquistando todo o território do ISIS no norte da Síria quase sem baixas, quase sem percas de equipamento, sem planeamento, por ali a dentro feitos rambos, e corre tudo às mil maravilhas. É preciso ser muito imbecil para ir nessa conversa dos media ocidentais. Eu acredito antes, embora sem factos que o provem, mas com toda a lógica, que a Turquia esteja simplesmente ordenando a saída ordenada do ISIS do norte da Síria, devido aos compromissos com a Rússia (ver partes anteriores) e que estes ilógicos ataques não passam de encenação e mentiras contadas nos media. O facto é que em poucos dias o ISIS saiu do norte da Síria perdeu todas as ligações ao mundo exterior, encontra-se cercado por FDS, Sírios, Iraquianos e Oposição Síria, e tem claramente os dias contados... na Síria. Fora da Síria veremos, pois se a Turquia empacota o ISIS e tira-o da Síria, para algum lado deverá estar planeando levá-lo... a pedido da Irmandade Muçulmana, por exemplo! Enfim... tema para um outro artigo.

 

IRMANDADE MUÇULMANA, CATAR E ARÁBIA SAUDITA - Arábia Saudita e Catar são os financiadores da Irmandade Muçulmana, essa organização fundamentalista da idade das trevas criadas há quase sem anos com a ajuda dos EUA e que sempre teve como principal função a substituição do pensamento político moderno e laico nos países árabes, de forma a substitui-lo pelas ideias obscurantistas wahabistas e takfiristas que deveriam reinar pela força e pela violência em prol dos interesses económicos dos EUA e seus vassalos da península arábica. Este será tema de uma próxima parte. Por agora apenas adiciono que Irmandade Muçulmana e estados seus patrocinadores estão profundamente envolvidos quer no ISIS quer nas forças que compõem a Oposição Síria, não o escondem, e são de fácil acesso os dados que documentam a ajuda que prestam em armamento e financiamento. Por outro lado, enquanto membros da Coligação Pró-Oposição (caixa cinzenta à esquerda no organigrama), oficialmente, o Catar e a Arábia saudita também combatem o ISIS. Mééé.

 

ISRAEL - Ahhh, esse osso duro de roer. Ao longo destes 2 anos várias vezes foram tornadas públicas notícias com fotos e vídeos de membros do ISIS (igual para a al-Qaeda, mas essa fica para outro artigo) feridos sendo assistidos em hospitais israelitas. Há meses o senhor Benjamin Netaniu teve o desplante (ainda bem) de insinuar, a propósito dos ataques do ISIS às forças legítimas de al-Assad, que o inimigo (ISIS) do seu inimigo (Síria) acaba por ser seu aliado. Por fim temos as actividades concretas da Força Aérea de Israel que, ao atacar as Forças Armadas da Síria de forma sincronizada com os ataques por terra do ISIS às Forças Armadas da Síria, vezes sem conta, não tem como se defender da acusação óbvia e evidente da parceria Israel-ISIS. Aliás, ninguém se espanta que uma organização terrorista que se diz Estado Islâmico e que é suposto odiar judeus, pelo contrário, mata, tortura, escraviza, bombardeia milhões de árabes, e nunca atirou um pedra sequer contra Israel, ali mesmo no meio de toda a confusão? Mééééé.... Mas enfim, oficialmente Israel aparece na lista dos inimigos do ISIS e não dos aliados. Méééé....

 

COLIGAÇÃO PRÓ OPOSIÇÃO-SÍRIA - Agora vamos à verdadeira anedota. Esta coligação de colaboradores estreitos do ISIS (Turquia, Arábia Saudita, Catar, etc,) com França, Reino Unido e EUA (países que patrocinam tudo o que se mexe contra al-Assad na Síria), diz ser uma coligação que apoia o conjunto das forças componentes da Oposição Síria... não digo que não, pois esses grupos terroristas que dão pelo nome conjunto de Oposição Síria combatem desde há 5 anos o estado Sírio. Agora quando me dizem que esta salada absurda também luta junto à Oposição contra o ISIS... ahhh, só dá para rir, depois de tudo o que já aqui foi dito. Mas façamos um esforço, não com todos, mas apenas com um membro: os EUA:

 

EUA - Pois, os EUA de forma metódica tem apoiado (ilegalmente, sem um mandato da ONU nem autorização do governo da soberana Síria) de forma constante a Oposição Síria (OP) e as forças curdas (Forças Democráticas Sírias ou FDS) contra o ISIS. É um facto comprovado, tudo bem, o problema são outros 2 factos. É que, se por um lado nas fronteiras do ISIS com a OP e as FDS os EUA bombardeia e ataca o ISIS de forma a proteger aqueles, por outro lado, nas fronteiras entre ISIS e as Forças Armadas da Síria (de al-Assad), as forças aéreas de EUA e seus vassalos ocidentais destroem sistematicamente as defesas de al-Assad em sincronia com assaltos terrestres do ISIS às forças de Al-Assad. Ou seja, o ISIS é um aliado dos EUA porque é usado por este como força descerebrada descartável na conquista indirecta de terreno por parte da OP e FDS contra as Forças Armadas da Síria (de al-Assad). Ao contrário não funciona, os EUA não é aliado do ISIS, o EUA é simultaneamente aliado e inimigo do ISIS nesse jogo de roubo indirecto de território sírio. O vil massacre de 80 soldados sírios em Deir ez-Zor esta semana por parte das forças aéreas dos EUA, Austrália e Dinamarca são o mais recente e mais perfeito exemplo do que acabei de dizer. Já lá iremos hoje, no fim deste artigo.

 

Inimigos do ISIS

Não vou repetir o que disse sobre aqueles que são simultaneamente aliados e inimigos do ISIS (quase todos), portanto vamos directo aos inimigos que sobram, o que é muito simples.

 

LÍBANO - O Líbano encontra-se ocupado a nordeste pelo ISIS, ou pelo Fateh al-Islam, para ser mais preciso (e que também é al-Qaeda), e é uma vítima indirecta do conflito sírio pois suporta o peso económico e social de 1,2 milhões de refugiados sírios, uma cifra enorme comparada com a sua população de 4 milhões. E não recebe ajuda nenhuma da União europeia, ao contrário da Turquia de Erdogan. O Líbano, país pequeno e destroçado pelo colonialismo bélico de Israel, é deixado ao abandono, tendo a sua população que optar entre passar fome ou deixar refugiados sírios passar fome. A Turquia, patrocinadora de ISIS, de campos de treinos de terroristas, de roubo de petróleo, de tráfego de mulheres e crianças sírias, etc., essa, apesar de dezenas de vezes maior que o Líbano e de ter uma população de 75 milhões de habitantes, recebe da União Europeia 3.000 milhões de euros anuais "para os refugiados sírios", em troca do ilegal compromisso de receber de volta os refugiados sírios que empurrou à força da Turquia para a Europa em 2014. Triste Europa, continente do desumanismo e da hipocrisia...

Líbano 

FORÇAS DEMOCRÁTICAS SÍRIAS (FDS) - Apesar de não vir na lista de aliados do ISIS, já foi tudo dito, o ISIS é o utensílio descartável dos EUA que serve de inimigo real dos curdos (FDS) na conquista de terreno do ISIS na Síria, terreno esses anteriormente roubado pelo ISIS ao estado sírio. É que, se não é possível, de forma alguma, limpar mediaticamente a imagem do ISIS para que se possa perpetuar o ISIS como um novo estado reconhecido internacionalmente e instalado em território roubado à Síria, por outro lado, um Curdistão Sírio (produto que já anda a ser vendido nos media ocidentais) independente e reconhecido internacionalmente em terras roubadas à Síria (directamente, ou indirectamente através da conquista contra o ISIS daquilo que o ISIS tirou à Síria), é o logro mais fácil de vender ao mundo ocidental pseudo-humanista atordoado e adormecido. Aliás, soa super bem, super cool, um estado dos coitadinhos curdos, mesmo que os coitadinhos dos curdos não sejam coitados ali (na Síria) e antes na Turquia (que é país membro da NATO). Não interessa, é lá para esse lados, é tudo igual, não é? Não, não é, e quem seria roubada, a ser realizado este perverso plano dos EUA, seria, uma vez mais, a Síria, como foi hábito no século XX. E como é fácil vender o produto curdos coitadinhos quando se vende também, como monstro anti-curdos, o sanguinário al-Assad. Mééééé.... E quem ganharia com o roubo? EUA, claro está, criando esse estado fantoche por onde passar possíveis oleodutos ou gasodutos, os tais "interesses nacionais" privados dos EUA!

 

OPOSIÇÃO SÍRIA - mais ou menos a mesma história que o parágrafo acima, sem contudo esquecer que parte da Oposição Síria é aliada do ISIS na luta contra as Forças Armadas da Síria

 

IRAQUE - Tal como a Síria, o Iraque é vítima do terrorismo do ISIS. Mais, o embrião do ISIS começou ai mesmo em 2003, com a queda do governo de Saddam Hussein. Se na Síria o objectivo dos EUA é usar o ISIS para destronar al-Assad e tornar aquele país na mais recente conquista do imperialismo norte-americano, no Iraque, já conquistado, o objectivo é usar o ISIS (sunita) como força desestabilizadora do governo iraquiano xiita eleito pela maioria xiita pró-Irão e anti-EUA. É no que dá exportar democracia à americana. Para quem duvida do apoio dos EUA ao ISIS, vejam o que se passou esta semana no Iraque, quando a Força Aérea do EUA bombardeou (por "engano", pois claro) forças iraquianas aliadas do governo iraquiano na luta contra o ISIS: de forma ostensivamente coordenada, após os bombardeamentos dos EUA sobre as forças iraquianas, veio um ataque por terra do ISIS contras as forças iraquianas. Só não vê o óbvio quem não quer!

 

SÍRIA - Quem diz Síria diz também todos os seus aliados que combatem activamente do seu lado: Rússia, Irão e Forças Palestinas. Síria e aliados combatem de forma coerente e legítima todas as forças terroristas invasoras que ameaçam a sua integridade e a sua soberania, ISIS incluído, nesta guerra desonesta dos EUA contra uma Síria que se recusou assinar em 2009 o projecto de uma gasoduto norte-americano, uma Síria que ousou assinar em 2011 um projecto de gasoduto concorrente russo-iraniano. De resto já tudo foi dito da guerra entre ISIS e Síria nas partes anteriores.

 

Acontecimentos recentes

Há 3 dias atrás (17 de Setembro, os EUA (e seus vassalos Reino Unido, Austrália e Dinamarca) bombardearam posições das Forças Armadas da Síria, matando mais de 90 militares sírios e ferindo 120. Os EUA, que num primeiro momento negaram que tal tivesse acontecido, vieram depois admitir que o fizeram, defendendo contudo que esse "incidente" tinha sido "um erro acidental". Vamos ver se faz sentido.

 

Primeiro, o momento em que ocorreu, quando as Forças Armadas da Síria e da Rússia avançam rapidamente na reconquista do território sírio, mostram que os EUA, irritados pelo desenrolar dos acontecimentos, decidiram pôr um criminoso travão!

 

Segundo, parece desespero dos EUA por ver-lhes fugir a conquista da Síria após 5 anos de guerra suja, mas fazer o quê? Convidar a Rússia a deflagrar um conflito nuclear mundial? Neste últimos 3 anos de conflitos na Síria e Ucrânia por várias vezes os EUA estenderam esse genocida convite, mas a Rússia nunca cairá em tal. Pelo contrário, os EUA, se querem guerra nuclear e aniquilação total, vão ter de tomar a iniciativa. E sim, vai tomando iniciativas como esta dos 90 soldados sírios mortos. Felizmente, os sensatos russos (russos esses que os nossos media nos vendem como demoníacos e tresloucados invasores) reagem com calma, apesar dos mortos. Sabem que, apesar da injustiça, é melhor não reagir com violência e cair na armadilha pois têm a plena consciência que numa guerra nuclear perdem todos. Parece que só a elite político-militar dos EUA é que não receia aniquilação nuclear total, vá-se lá perceber!

 

De qualquer modo, e pela sua dimensão, os ataques aéreos de há 3 dias já são um deflagrar de conflito aberto entre os EUA e Síria, provando bem à ovelhada que nunca houve guerra civil síria, antes uma guerra de procuração EUA-Síria que agora vai descaindo para uma directa. Não? Veja-se então também as várias bases militares norte-americanas em território sírio, até à pouco mantidas secretas e, de qualquer forma, completamente ilegais? Quando um pais instala bases militares no território de outro país contra a vontade do segundo, não estamos a falar de guerra? E quando dessa base saem aviões e homens em missões militares sem o consentimento do estado ocupado não é guerra? E, sobretudo, quando essas missões resultam no bombardeamento e morte das forças armadas do país ilegalmente ocupado não é guerra? Mas já imaginaram esta história ao contrário? Uma base militar síria ilegal, em território dos EUA, bombardeando e matando militares dos EUA, como forma de apoio às revoltas dos 99% ou dos Black Lives Matter! Como é possível que, vindo dos EUA , toda a ilegalidade e barbárie é aceite pela ovelhada lobotimizada por esse mundo fora? Que vergonha de humanidade zombie!!

 

Terceiro, a perfeita sincronia entre EUA e o ataque terrestre do ISIS, como já aconteceu por inúmeras vezes durante a guerra na Síria. As Forças Aéreas dos EUA atacaram (por “erro”) as Forças Sírias, abrindo caminho ao ataque por terra do ISIS contra os sírios desorganizados, feridos ou mortos pelos ataques aéreos. É um exemplo clássico de guerra convencional na qual primeiro se ataca por ar (EUA como Força Aérea do ISIS) e depois avança-se por terra (ISIS). Só não vê o óbvio quem não quer!

 

Quarto, o padrão de comportamento dos EUA é: atacar ISIS perto do FDS (curdos+NATO) e da Oposição Síria, de forma a ajudá-los a conquistar território ao ISIS enquanto que, por outro lado, apoia o ISIS com ataques aéreos às Forças Armadas da Síria, de forma a que esta última perca território. Sem FDS nem Oposição Síria por perto, prestes a conquistar algo ao ISIS, estes ataques aéreos oficialmente “contra o ISIS” embora “falhados” não encaixam no padrão. Não dá portanto para acreditar na versão de norte-americana de “erro” quando nem sequer era suposto terem ali existido bombardeamentos.

 

"[o ISIS[ e o Exército Sírio têm estado envolvidos em combates na região por muito tempo. Os EUA nunca intervieram para evitar que o ISIS se expandisse para ocidente, por exemplo quando ele tomaram Palmira no ano passado. Então este é um passo muito inesperado e parece deliberado" (Tim Anderson)

 

Quinto, o EUA nunca realizou ataques ao ISIS em colaboração com a Síria, pois claro que não, uma vez que tal acto resultaria contrário aos seus interesses que é fazer recuar os sírios. Os EUA nunca ajudou nem os ajudará a Síria a conquistar terrenos ao ISIS com apoios aéreos, pois claro que não! Não faz nem faria sentido nenhum. Mas sendo assim, como se explica que os EUA executem ataques ao ISIS tão longe das posições dos curdos, da NATO ou da Oposição Síria (veja o mapa abaixo). Por que razão haveriam de gastar bombas num zona longínqua onde apenas se encontram ISIS e sírios, se o alvo (supostamente falhado) fosse deveras o ISIS?  Não faz sentido. O alvo não era o ISIS.

 

Der ez-Zor na Síria

 

Sexto, não é possível que os EUA bombardeiem o que quer que seja por erro, sendo a mais sofisticada máquina de guerra de sempre na história da humanidade. Qualquer militar honesto poderia explicar como são absurdos está estórias para entreter massas lobotimizadas pela televisão!. Não é possível porque é demasiado fácil saber onde se encontram ISIS e sírios, porque os EUA não tinha nada de lógico ou estratégico para fazer ali, e porque, como Putin e Lavrov levam mais de 1 ano insistindo, só não há coordenação porque os EUA sempre recusaram colaborar com o “sanguinário” al-Assad ou quem quer que seja seu aliado. E se recusam não podem queixar-se de não saber onde estão sírios e russos, e se não sabem o melhor é não arriscar bombardear às cegas, sobretudo quando se encontram ilegalmente na Síria, sobretudo quando bombardeiam o território desse estado soberano em completa ilegalidade! E mais, é ridículo querem fazer crer ao mundo que não conseguem distinguir zonas controladas por sírios de zonas controladas pelo ISIS quando tal informação é do conhecimento público e actualizada diariamente na internet:

 

D Z 1.jpg

 

Sétimo, os ataques aéreos ocorreram sobre o aeroporto de Deir ez-Zor que foi conquistado há vários meses pelos sírios. Como é possível que não saibam tal facto tão bem documentado online? Esse aeroporto está repleto de aviões de guerra sírios, que não podem ser confundidos com aviões de guerra da força aérea do ISIS porque o ISIS não tem nem força aérea nem resmas de aviões! E pior, o aeroporto de Deir ez-Zor encontra-se rodeado por uma zona plana e vazia, não havendo forma de confundir sírios com membros do ISIS. Seria possível se estivéssemos antes a falar de uma zona urbana densa e complexa! Mas não, insisto, estamos a falar de deserto plano! Vejam:

 

D Z 2.jpg

 

Veja-se também este vídeo no qual o jornalista Rafael Araya Masr,i em menos de três minutos, faz um excelente resumo não só deste última agressão dos EUA à Síria, como um magnífico resumo de todo o conflito.

 

 

À parte

O cessar fogo foi quebrado graças a estes ataques absurdos dos EUA e, de qualquer modo, um dos principais objectivos do cessar fogo não tem podido ser implementado graças ao desrespeito da Oposição Síria sobre o que tinha sido acordado. Tinha sido acordada a criação de uma zona neutra no norte de Aleppo por onde entrar ajuda humanitária aos civis que habitam uma zona dessa cidade ocupada pela "oposição" e completamente cercada por sírios e russos. A Síria, como acordado, retirou-se da Estrada do Castelo recém-conquistada, enquanto que a Oposição Síria não só não se retirou das imediações como invadiu de novo o que a Síria tinha libertado como zona neutra. Resultado: os camiões da ONU com ajuda humanitária continuam estacionados na Turquia à espera de ordens, os civis sírios habitando nas zonas controladas pela terrorista Oposição Síria vão morrendo de forme e o Ocidente continua a sua vergonhosa ladainha mediática de Assad e Putin bárbaros sanguinários que tudo fazem pela perpetuação da barbárie e nada pela restauração da paz.  

 

Com esta brincadeira, nem cessar-fogos quanto mais acordos de paz entre EUA e Rússia. A única paz que os EUA deseja é uma paz podre, a paz de uma Síria subjugada, submissa e obediente aos "interesses nacionais"  económico-energéticos dos EUA, o que não vai acontecer enquanto houver Rússia. Portanto, os EUA que tanto falam de acordos de paz, não procuram paz, procuram estados vassalos. E com as obscenas propostas de paz que propoem, quem é que fará acordos com os brincalhões dos gringos, hein? Então não é que, no mais recente acordo de paz proposto à Rússia, e que fallhou por recusa russa, os gringos incluiam, como uma das condições para a paz na Síria, que a Rússia oficialmente reconhecesse a al-Nusra (al-Qaeda na Siria) como uma orgão membro da Oposição Síria moderada e não mais a rotulasse de organização terrorista? Que brincalhões, não, depois da treta do 911 pegaram fogo a meio planeta com a desculpa de caça à bruxa da al-Qaeda, e afinal a bruxa al-Qaeda na Síria é "oposição moderada" e nao bruxa, que grandes brincalhões, não!

  

E uma das maiores brincalhonas gringas é a palhaça rica Samantha Power, embaixadora dos EUA na ONU. Essa então mostrou-se super ofendida com a exigência russa de reunir de emergência o Conselho de Segurança da ONU em reacção ao insignificante e banal bombardeamento norte-americano. Tão brincalhona que se deu ao luxo de desvalorizar at+e mais não o criminoso e ilegal acto dos EUA, tão brincalhona que perante factos graves cometidos pelos EUA, se pôs a tergiversar sobre mitos e lendas de ataques russos a campos de refugiados e hospitais, como se acusações infundadas anti-Rússia fossem mais válidas que provas indesmentíveis de crimes norte-americanos! Tão brincalhona-trapalhona que conseguiu ver “um ataque aéreo” onde houve quatro! Brincadeira ou não, a larga maioria da plebe adormecida mundial engole tudo, infelizmente...

 

Samantha Power vomitando em público

 

Próxima parte: Israel, Ucrânia e Irmandade Muçulmana.

 

Luís Garcia, 20.09.2016, Chengdu, China

 

 leia também  Resumo esquemático do conflito sírio

leia também  Resumo do conflito sírio - parte 1

leia também Resumo do conflito sírio - parte 2

leia também Resumo do conflito sírio - parte 3

 

 

 

 

 
Vá lá, siga-nos no Facebook! :)
visite-nos em: PensamentosNómadas

1 comentário

Comentar post

Categorias

POLITICA - banner

SOCIEDADE - banner

VIAGENS - banner

RELIGIÃO - banner

ECONOMIA

Literatura

Tecnologia

CIENCIA

FOTOGRAFIA

EN FRANÇAIS

IN ENGLISH

 

Livros em PDF - LISTA DE AUTORES POR ORDEM ALFABÉTICA

Os Nossos Artigos em PDF

Arquivo

O gestor do blog

foto do autor

Siga o blog

Follow