Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Pensamentos Nómadas

Nomadic Thoughts - Pensées Nomades - Кочевые Мысли - الأفكار البدوية - 游牧理念

Pensamentos Nómadas

Nomadic Thoughts - Pensées Nomades - Кочевые Мысли - الأفكار البدوية - 游牧理念

“Fúria Divina”, uma diarreia literária de José Rodrigues dos Santos (2ª PARTE)

 

grandessissimo cona - azul - tua tia

 

LITERATURA  POLITICA SOCIEDADE Luís Garcia

  

Mentiras

Igualdade na ONU - "Também não o podemos [referindo-se ao presidente dos EUA] tirar da sede da ONU. Tecnicamente o edifício não é território americano, pelo que o presidente não tem prioridade sobre os outros governantes que lá estão. E estamos a falar de mais de trinta governantes. Teríamos de os retirar a todos ao mesmo tempo, o que não é possível em poucos minutos."

 

Grotesca mentira! Facílimo de desmentir com a enciclopédia conhecida de escutas, intrigas, envenenamentos e tudo o mais que já lá se passou nos seus 70 anos de vida.  JRS acredita na teoria, o anjinho, eu acredito nos factos históricos! Querem um recente, que prova o contrário daquilo que JRS insinuou? Por exemplo, o de Nicolas Maduro, presidente da Venezuela, em 2014, que foi humilhado e tratado como um criminoso enquanto sua excelência divina Barack Obama saía da sede da ONU, o seu brinquedo privado:

 

I want to apologize to you because I arrived a bit late, some 20 minutes late, but the thing is that today I have been twice a victime of president Obama, a President I respect. The first time was at the UNO, as I was leaving the headquarters of the organization, together with other presidents we were victims of the security of president Obama. We were held by some 45 minutes. We could not move out of a corner where we were held. Until Obama quickly walked by. I called him: “Barack!” But he did not even turned around. The second time was when we were coming here. (...) So we were coming along Park Avenue and in the middle of the avenue there was a huge deployment of police officers, New York police patrols, all streets blocked, two kilometres in both directions. We got stuck in front of a traffic light. We were held there for 25 minutes. Then, we saw the president Barack Obama’s convoy pass by. We waved him, but he did not see us… (excerto do livro "We have to democratize de UN" de Nicólas Maduro. Podem lê-lo online no site do Minci)

 

JRS, para quê tentar passar uma imagem de bondade e pureza que não existe na política norte-americana e que de todos os modos não interessa a ninguém? Ninguém na sala oval vai querer ler esta merda bro!  Estás à espera do quê com esta pueril bajulação? Que Obama te adopte para substituir o outro lambe-botas, o cão d'água português?

 

Fundamentalistas cultos - "As populações muçulmanas acham que se deve lapidar uma adúltera até à morte?" "Muita gente acha, sim." "Está bem, mas isso é o povo ignorante a falar..." "Está enganada! Muitos muçulmanos instruídos e esclarecidos são fundamentalistas."

 

Bom, palavra de Tomás Noronha, o homem que conhece o Islão a fundo! Ou não? Isto é um especialista em Médio-Oriente a falar ou os fantasmas mentais do próprio JRS? Insisto, o muçulmano médio, culto ou não, não tem nada a ver com esta baboseira. Falo por experiência própria. E o que são populações muçulmanas? Que conceito é esse? Há um padrão mental muçulmano de Marrocos até à ilha da Papua na Indonésia? Eu, do que conheço, digo o contrário, que pouco se distingue em comportamento um católico indonésio de um muçulmano indonésio e que, em contrapartida, o comportamento de um muçulmano indonésio nada tem a ver com o de um muçulmano sírio!

 

Colapso japonês - "As únicas bombas atómicas lançadas contra sociedades humanas foram as do Japão, em 1945. Essas explosões provocaram o colapso imediato de sociedade japonesa. Será que o mesmo aconteceria agora? O terrorismo nuclear é uma experiência que ainda não vivemos, pelo que só podemos calcular os efeitos sem ter muita certezas."

 

Mentira atrás de mentira! Primeiro não foram as únicas lançadas sobre sociedades humanas, a não ser que para JRS aborígenes da Austrália não contem como seres-humanos, o que não me espantaria nada! Como JRS "é um dos jornalistas mas cultos do mundo" e como "lê livros às toneladas para bem preparar as suas obras", é impossível que nunca tenha ouvido falar do melhor jornalista vivo, John Pilger, realizador de inúmeros documentários, entre os quais 5 sobre o holocausto aborígene, onde se pode aprender sobre as explosões nucleares de que foram vítimas. Aconselho a visita ao seu site oficial johnpilger.com, no qual se pode visualizar verdadeiro e gratuito jornalismo.

 

As explosões de Hiroshima e Nagasaqui NÃO fizeram colapsar a sociedade japonesa. Quase todas as cidades principais estavam quase completamente destruídas e o Japão já tinha capitulado quando de forma desnecessária e terrorista os EUA as lançaram. Porquê, porque as forças russas estavam a poucos dias de alcançar o Japão e ocupá-lo enquanto potência vencedora. As 2 bombas mostraram aos russos que quem seria o próximo dono do Japão seria os EUA e não o bloco comunista.

 

Não há certezas sobre os efeitos porque ninguém os viveu? Então, arranjai um tradutor de japonês e perguntai a japoneses! Ou japoneses também não são seres humanos? E para que acha JRS que serviram os testes nucleares sobre civis no deserto australiano? Precisamente para perceber esses efeitos! Que nulidade! Informa-te!

 

Interrogatórios sobre tortura - Houve um único condenado que depois de confessar os crimes e receber uma pena pesada, voltou atrás e disse que era tudo mentira obtida sobre tortura em Guantanamo. Mais ninguém além dele foi legalmente condenado a nada depois de anos a fios tratados abaixo de merda. Só JRS é que parece não saber! A próxima citação, suposta verdade das muitas que JRS pesquisou e integrou no livro é desse género de mentiras confessadas:

 

"Pois nós estamos a pensar. E os terroristas também. Depois de termos invadido o Afeganistão conseguimos deter um dos cérebros do 11 de Setembro, um tipo chamado Khalid Sheikh Mohammed. Sabe o que ele confessou? Revelou que o primeiro alvo dos aviões eram instalações nucleares, mas acabaram por decidir não as atacar para já. E repetiu a expressão para já."

 

Comunismo - Todo o comunismo é fundado na luta de classes, não na harmonia. - Lol, sem comentários.

 

Burcas no Egipto - Quem ler o próximo excerto há-de pensar que no mundo muçulmano, o de Ahmed e JRS, todas as mulheres se tapam com burcas e que nunca homem nenhum viu um cm2 de pele de uma mulher não sua familiar. Que estupidez encomendada a pensar nos portugueses que nunca saíram da aldeia e que gostam de ouvir "estórias do árabe mau". Lisboa aos olhos de Ahmed:

 

 "E que dizer dos comportamentos? Nunca tinha visto tanto kafir de uma só vez, mas o mais chocante foi observar as mulheres a andarem por toda a parte com a pele branca exposta —por Alá, iam praticamente nuas! Viam-se-lhes os braços, as pernas, o cabelo, os ombros; algumas até vestiam camisinhas tão curtas que expunham a barriga e deixavam mesmo antever o rego dos seios! "Prostitutas!", vociferou em voz baixa, indignado. "Todas umas prostitutas!""

 

Da Turquia à Indonésia vi muçulmanas de mãos dadas a suas amigas não muçulmanas de t-shirt e calções, e não me parece que se chamem putas umas às outras. Aliás vi e vejo o contrário, grande e maior tolerância, sobretudo para com estrangeiros broncos que da praia vão até à loja a pé, de calções e tronco nu e de biquíni. É de uma enorme falta de empatia, de adaptação e de respeito pelo costumes do país visitado. Ainda assim nunca vi nenhum ter um problema por isso. E se há quem tenha problemas, bom, quem ideia é essa de ir às compras em biquíni num país muçulmano?

 

E depois, o Egipto é conhecido no mundo muçulmano por as suas mulheres tradicionalmente não usarem o véu como no restante Médio-Oriente. Sim, muitas também usam, e quê? Não provamos nada com isso. Com a percentagem que não usa, no entanto, prova-se que nas linhas da anterior citação JRS MENTE! Então e Ahmed nunca tinha visto turistas ocidentais no Cairo, ele que trabalhava TODOS OS DIAS COM TURISTAS OCIDENTAIS? Não, JRS, esse espanto é... digamos, demasiado forçado e muitíssimo tosco. É uma infantil obsessão tua!

 

Somos todos ricos e cultos -  Um português descrevendo Portugal a um egípcio: "Não é bem assim, meu irmão. Nós investimos muito na educação e sabemos que a verdadeira riqueza é gerada pelo conhecimento. Se andares por este país ou por toda a Europa, verás que por aqui existem poucas riquezas naturais nas terras. Não há petróleo, não há ouro, não há diamantes." Colou o indicador às têmporas. "Mas possuímos conhecimentos. Aqui no Ocidente sabemos fazer carros, aviões, pontes, computadores... é essa a nossa riqueza."

 

Nem os portugueses são ricos assim, nem os muçulmanos são retardados como se quer fazer querer! Em Portugal investe-se (pouco) em educação para alimentar a fuga de cérebros, face tão perversa do neoliberalismo tão bem dissecada por Fidel Castro nas suas inúmeras "Reflexiones de Fidel"; A Malásia, país muçulmano tem a sua própria marca de carros (Proton), Portugal não; O Irão é uma das nações mais industrializadas e tecnológicas do planeta, capaz de colocar sozinho no espaço os seus próprios satélites; Massa cinzenta existem em todas populações humanas, excepto para seguidores de teorias de supremacia racial, coisa profundamente triste. Não tem ponta por onde se pegue a citação acima! Além do mais com aquele tom paternalista e gestos de arrogância obtusa!

 

Ainda assim, há que denunciar sem cessar o roubo de petróleo e recursos minerais ao resto do planeta. Como dizia e bem o visionário Hugo Chávez, o Ocidente, com as suas ferramentas de colonialismo económico como o FMI ou o Banco Mundial, obrigam "el Sur" à prisão do trabalho do sector primário, importam-lhes esses recursos quase gratuitamente e depois exportam bens de valores acrescentado (derivados dessas matérias primas) aos países pobres que, como não podem pagar, têm de se endividar (pedindo dinheiro emprestado ao ocidente) para obtê-los. Tais  empréstimos são assinados em troca de pacotes de austeridade que aumentam ad eternum as dívidas, e de programas de reestruturação da dívida que aprofundam e eternizam  o carácter primário e servil das suas economias. Isto agora, porque ainda há pouco tempo era mais simples, fazia-se golpes de estado a torto e a direito com agentes da CIA e estava resolvido o assunto com mais um dos muitos Pinochets Made In USA. Por tudo isto JRS...  bsh cala-te!

 

E depois quê, os árabes ou muçulmanos são trogloditas, não tem engenharia, não têm universidades? Então por que raio foi Tomás Noronha estudar para o Cairo? Foi estudar pastorícia? E JRS, dá uma olhada sobre os conhecimentos de matemática, cartografia e navegação árabes que tornaram possíveis os descobrimentos portugueses, OK?

 

Mentira - Mais uma vez  JRS  simplesmente se põe a citar e a debitar à parva propaganda desmentida!  Como se fossem factos! Vejai:

 

"Muito bem", disse. "O que aqui está é o que sabemos sobre os projectos da Al-Qaeda em relação à construção e uso de bombas nucleares, projectos que remontam à década de 1990. Um sudanês que desertou do movimento, um tipo chamado Jamal Ahmad Al-Fadl, revelou-nos que Bin Laden esteve nessa altura empenhado na compra de urânio enriquecido por um milhão e meio de dólares. O nosso informador disse ter visto, com os seus próprios olhos, um cilindro com uma série de letras e números gravados no exterior, incluindo um número de série e as palavras África do Sul, identificando a origem do urânio enriquecido."

 

Isto tudo foi desmentido (antes de JRS publicar Fúria Divina) pelo próprio Pentágono que, a pedido do congresso Norte-americano, teve de desclassificar documentos que demonstraram não passarem de criações da CIA de auto-engano planeadas. Enfim...

 

Sobre o 911 - "Ajoelhámos a América! Ajoelhámos a América! Masha'allah!" Quem ajoelhou? O Bin das arábias? Já não há paciência para gajos como tu JRS, dizem-se jornalistas e interessam-se menos pela verdade do que um cidadão curioso. Pesquisam e analisam infinitamente menos que um cidadão atento. Não lhes interessam as lições históricas. O óbvio e o lógico são perigosos se contradizem a versão oficial. E este adora regurgitar versões oficiais absurdas, por mais evidente que seja que edifícios como o World Trade 7 foram demolidos por implosão programada, por exemplo! Uma leitura que aconselho JRS, pois há que aprender com verdadeiros jornalistas rapaz, é o livro de Thierry Meyssan: La gran Impostura - Ningún avión se estrelló en el Pentágono (para aceder ao PDF desta versão espanhola clique AQUI).

 

 

"No hay nadie ya que no cuestione la versión oficial — la que diera el Gobierno de Bush— sobre los trágicos hechos ocurridos en la ciudad de Nueva York. Y lo más terrible es que fue tomada como pretexto para desencadenar una “guerra al terrorismo”, que le ha permitido al imperio atropellar impunemente pueblos y soberanías. Así sucedió con Afganistán y con Iraq." (Hugo Chávez, em Desde La Primera Línea)

 

 Absurdos

Arquitectura - Depois da AlQaeda já ter morto um, voltam para trás para recuperar documentos rodeados de terroristas, num edíficio em Lahore, Paquistão. Óptimo cenário, na óptica de JRS, para Noronha e os trogloditas da CIA se porem a fazer análises a estilos arquitectónicos e piadas fraquinhas. São várias seguidas mas, para não cansar, partilho apenas uma:

 

""Isto é o Diwan-i-Aam", identificou. "Era aqui que o imperador mogul recebia as visitas." Os dois homens curvaram-se e passaram a porta de entrada. "Esses moguls deviam ser uns anões"."

 

Não-existência existente - "Eu estou a afirmar que mais de cem armas de um total de duzentas e cinquenta não estão sob o controlo das forças armadas da Rússia. Não sei onde se encontram. Não sei se foram destruídas ou se foram guardadas ou se foram vendidas ou roubadas. Não sei." (...) "Convém esclarecer que, depois desta entrevista do general Lebed, um porta-voz governamental russo declarou que essas armas nunca existiram e que as existentes foram destruídas." Sorriu com sarcasmo. "Uma pequena contradição, não vos parece? Primeiro dizem que essas armas nunca existiram e logo a seguir afirmam que elas já foram destruídas, o que significa que afinal sempre existiram."

 

Estás a fazer-te de sonso JRS? Não percebeste a explicação e tens a lata de injectá-la no livro como sendo mais um dos teus "imensos factos comprovados"? Que moca. Eu explico: o general russo Lebed clarificou 2 coisas distintas. Primeiro, que essa história de armas nucleares portáteis desaparecidas ou roubadas era mentira. Segundo, que este tipo de armas nucleares (em miniatura, que cabem dentro de malas executivas) produzidas pela URSS foram entretanto destruídas. Não há incoerência nenhuma, apenas má fé de JRS que se aproveita da ambiguidade criada com a palavra "existentes" para dar um novo sentido à frase.  JRS retira à má fé a frase do seu contexto, pois anteriormente Lebed comentava acerca das armas nucleares portáteis. Umas são criação mediática, as outras, as verdadeiras, integrantes do arsenal soviético que não foram roubadas, foram entretanto destruídas.

 

AlQaeda's blowjobs - Este absurdo faz-me lembrar o episódio do South Park intitulado "Broadway Bro Down" (S15E11). Porquê? Pelo paralelo entre as mensagens subliminares e pelo exemplo de vídeo que JRS escolheu:

 

"Digitou a password que o key-tracker lhe fornecera. Apareceu a ampulheta do computador a tremer sobre a imagem da ruiva de boca escancarada e, em poucos segundos, a fotografia pornográfica foi substituída por uma linha composta por letras e números. "Bingo!" Tomás inclinou a cabeça para a frente e, a mente a funcionar como um criptanalista, leu a mensagem que a Al-Qaeda havia escondido naquela fotografia.  6 A Y H A S 1 H A 8 R U"

 

Que risada, não tinham outra forma de mandar mensagens escondidas que não fossem tão escandalosamente CONTRA os ensinamentos do Islão e do profeta? Então JRS passa 600 massudas páginas tentando nos convencer que os "islâmicos" são maus e perigosos precisamente porque seguem à risca os ensinamentos fanático-religiosos, e depois mete os mais hiper-fanáticos dos fanáticos a partilhar vídeos porno! Não dá para perceber! Não faz sentido nenhum! Quiseste espalhafato e sensacionalismo com esta "ideia" mas, não, o tiro acabou por sair pela culatra!

 

 

Cão infiel e prostituta - Na minha opinião, pelo que conheço deste mundo, inclusive da lógica comportamental humana, nem o guia árabe faria isto aos seus clientes, nem o turista norte-americano espancaria (por causa disto) um árabe numa ruela perdida de um pais árabe plena de árabes. Vamos lá ao absurdo sonhado por um JRS fraco fraquinho em realismo:

 

Este tipo chamou-te cão infiel a ti e prostituta a mim." O homem arregalou os olhos,  perplexo e embasbacado, duvidando até de que ouvira bem. "O quê?" "É o que te digo, Johnny. Ele insultou-nos." Passado o pasmo inicial, o rosto do americano enrubesceu e, com um gesto rápido e inesperado, esbofeteou Ahmed. Paf. "Como te atreves?", rosnou, subitamente enraivecido. Apanhado de surpresa, o rapaz caiu no chão e sentiu o americano aproximar-se. "Porco árabe!" Seguiu-se um pontapé, que passou de raspão nas costas do guia. "Toma! Quem pensas tu que és?"

 

A improvável cena continua até se espancarem um ao outro, Não interessa.

 

Piadas com o termo Alá vindas de um crente!?! Que moca  de pesquisa fez o JRS sobre o mundo muçulmano para este livro?

 

O homem gordo mudou a perna de apoio. "Todos acreditamos em Alá e somos testemunhas de que não há nenhum Deus senão Alá", retorquiu, a voz no limite da paciência. "Mas aqui quem manda é Alá Al-Hakam, o Juiz, e o que eu quero saber é se és ou não um radical."

 

Para um crente do Islão, mesmo que seja o mauzão do interrogador policial, é inconcebível fazer trocadilhos e piadas usando o termo Alá. Um crente nunca juntaria a palavra Alá ao nome do juiz encarregado do processo para fazer passar a ideia de preponderância das decisões deste sobre as do deus muçulmano. As 2 coisas são blasfémia, sobretudo a de "usar o nome de deus em vão", nossa conhecida. Tendo em conta que neste livro, JRS, tenta inúmeras vezes sem conta nos convencer que os árabes/muçulmanos cultos ou analfabetos, bons ou maus, idosos ou bebés de colo, sem excepção, são todos um perigo para a civilização ocidental devido à teimosia de levarem o Corão 100% a letra, mais improvável se torna a citação descrita acima! Não, não há espaço para excepcionais graçolas dessas no fanatismo do mundo islâmico que inventaste no teu livro JRS! Não faz sentido e mostra a falta de jeito para mandar piadas!

 

Ctrl+S mental - A acreditar em JRS, a memória humana e a procura de informação nela é sequencial como num computador! Quanto mais ficheiros numa pasta, mais tempo para encontrar o que procuramos. Ou, quanto maior o conteúdo do ficheiro PDF, mais tempo esperamos até encontrar uma determinada palavra ou passagem. Fico curioso para saber se também depende da velocidade do processador e das rotações por minutos do disco biónicos, ahah! A citação:

"A sura 2 é o capítulo mais comprido do Alcorão, pelo que Ahmed levou algum tempo a localizá-lo na memória."

 

Adora aquelas partes (metade do livro) em que um diz, "Ah e tal, o capítulo 9, versículo 20 diz branco". E outro: "Pois, mas o capítulo 3, versículo 10 diz preto. E mais, o capítulo 12 versículo 13 diz cinzento mas faz referência ao branco". Etc. E ficam assim 5 ou 6 páginas a divagar mentalmente para trás e para a frente no Corão, recitando de memória linhas inteiras, palavra por palavra. Inclusive crianças o fazem na boa! Nunca vi um fenómeno assim nas minhas viagens mas devo andar por certo ceguinho pois, a acreditar neste livro, são situações perfeitamente normais no "mundo islâmico". Ahahah!

 

Fontes de conhecimento - NewsWeek e Time para aprender sobre o mundo islâmico? Mais nada? Não queres também um personagem a aprender linguagem de programação com uma banda desenhada do Tio Patinhas? O excerto:

"Não é bem assim", corrigiu ela. "Eles fazem uma interpretação abusiva do islão." "Quem lhe disse isso?" "Quer dizer...", hesitou Rebecca, desconcertada com a pergunta. "Isso está... sei lá, está na imprensa. Já li isso na Newsweek... ou na Time, não sei bem."

 

Vais para Lisboa - Vejamos este raciocínio ilógico. Sem nenhuma razão estratégica para enviar em missão de formação o futuro terrorista para onde quer que seja, tipo capricho, discorrem umas conclusões à monga... e  escolhem Lisboa para destino do novo jiadista! Ahaha, que moca! Do género: "Epá, no Egipto não por causa da bófia. Na Arábia Saudita não porque já lá há muitos trogloditas como nós ... mmm, que tal Europa? Europa... Inglaterra. Mmmm, não, já têm muitos muçulmanos e os bifes andam a desconfiar... já sei, vais pra Lisboa!"

 

E já está! E quê, será possível coisa mais forçada que esta para por Lisboa na rota da AlQaeda!?! Como é possível! É a isto que os fãs chamam um "grande enredo" e "excitante suspense" e coisa e tal! Jasus!

 

Portugal, o paraíso na terra - É, preparem-se caros leitores, vem aí diarreia! Portugal no início dos anos 90 era O PARAÍSO NA TERRA:

A novidade que de início mais o espantou, e para a qual não estava verdadeiramente preparado, foi a riqueza que encontrou em Portugal. Os automóveis brilhavam de tão novos que pareciam, os autocarros tinham portas que se abriam automaticamente, as estradas eram impecáveis, não havia papéis nem plásticos espalhados pelos passeios, as pessoas tinham um aspecto bem tratado e dos seus corpos emanavam fragrâncias perfumadas, não se viam bairros degradados nem esgotos a céu aberto nem lixeiras pelos cantos nem revoadas de mendigos, o ar respirava-se limpo e tudo parecia ordeiro e arrumado. Que contraste com o Cairo!

 

Que Portugal , que Lisboa conhece JRS? O dos cocktails de VIP's, hotéis de luxo e gente chique? Só pode! Hahahaha, que moca, parece que foi para uma virtual Islândia ou um virtual Mónaco mais ricos e mais perfeitos que os da realidade, não sei. E quê, na cosmopolita Cairo de mais de 10 milhões de habitantes não há carros novos nem de portas automáticas? Como disse que disse? Eu já vi com estes olhos um Ferrari passar numa rua de buracos e lama com pobres descalços pedindo esmola no chão. JRS, que não sai do hotel nas suas viagens de estudo para livros, não parece conhecer a lógica deste mundo capitalista: onde há muita pobreza há a mais gritante riqueza. Mas qual quê, nem ricalhada, nem elite, nem máfia nenhuma egípcia tem a porra de um carro com portas automáticas! Ok. E não é desculpa Ahmed ser de classe-média (nem sequer pobre), pois todos os dias trabalhava com turistas na zona histórica do Cairo, não é propriamente um pastor de cabras do deserto do sul do Egipto! Brincamos? Mais, não há mendigos em Lisboa? Não há fome e miséria em Portugal? Na altura em que se passa a cena do livro não havia favelas como o Casal Ventoso? Vives num bunker JRS? O Médio-Oriente, descontando a miséria das guerras de intervenção e das de proxy dos EUA, é um mundo com muitíssimo menos pobres e mendigos que a nossa Europa, fruto de maior entreajuda e empatia! Não bárbaros como nos queres fazer querer! Por isto tudo, não me fodas com clichés! Pega numa mochila e vai ver o mundo real! E esta pérola:

Que terra aquela! "Estes Portugueses devem-se fartar de roubar aos crentes", observou após o seu primeiro passeio pela cidade.

 

absurdo, mentira, ou um pouco das duas? - Nem todos os bófias tugas são anjos bem-educados, servis e falam inglês, nem todos os bófias do Cairo são a encarnação do diabo! Tenhamos calma e leiamos mais um pérola:

Deambulou perdido pela Baixa de Lisboa e assustou-se quando viu um polícia aproximar-se dele. Pensou que ia ser preso e preparou-se para fugir, mas sentia-se paralisado de medo, ficou pregado ao chão. O polícia interpelou-o em português e, muito hirto, Ahmed abanou a cabeça e fez sinal de que não entendia. Após as primeiras palavras confusas, ouviu o guarda mudar para um inglês primário mas perceptível. "Precisa de ajuda?" O polícia queria ajudá-lo! No Cairo sempre vira os polícias como repressores agressivos e corruptos, pessoas que deviam ser evitadas a todo o custo. Mas aquele guarda mostrava-se desconcertantemente afável. Desconfiado, Ahmed balbuciou uma desculpa improvisada e afastou-se o mais depressa que pôde, convicto de que haveria ali uma artimanha qualquer.

 

Quem lê isto pensa que Ahmed é um membro de umas das últimas tribos isoladas dos planaltos da Roraima, lá na Amazónia profunda!

 

Os árabes desconhecem instintos biológicos -  Adara obedeceu e estendeu-se vestida na cama, o corpo hirto, os olhos a saltitarem de nervosismo. O marido desligou a luz: e deitou-se ao lado dela. Não sabia bem o que fazer em tais circunstâncias, uma vez que aqueles assuntos eram proibidos até nas conversas entre homens, mas tinha a ideia de que tudo se passava entre as pernas dela. Ganhou coragem e meteu-lhe desajeitadamente a mão pela parte de baixo do vestido, explorando-a até lhe detectar a abertura quente. Sentiu a erecção formar-se-lhe nas calças e despiu-se com um movimento rápido. Depois deslizou para cima dela e fez força para entrar. A coisa não resultou; devia haver qualquer mecanismo que ambos desconheciam. Teve então a ideia de lhe abrir as pernas e voltou a investir. Ela gemeu de dor no momento em que o marido conseguiu penetrá-la. Foi uma refrega rápida e atabalhoada.

 

2 minutos depois Ahmed estava na casa de banho a lavar-se. Tudo bem, mais uma vez um galã da TV portuguesa se diverte a espezinhar árabes, desta vez ridicularizando a sua performance sexual. Desconfio que JRS terá complexos graves a moer naquela "cabecinha"!

 

Grandes dúvidas ficaram-me na cabeça com esta passagem: Como fazem para se reproduzir as restantes milhões de espécies animais se não beberam instruções da providencial cultura ocidental? Serão mesmo atrasados mentais os árabes? Será preciso um doutoramento em biomecânica para saltar encima de uma fêmea? Como é que os portugueses conseguem gerar descendência viável? É que o ensino desta matéria tabu nas escolas e nos lares do Portugal conservador católico não é o melhor do mundo, pois não?

 

Bomba atómica no congelador - "Não temos a certeza", disse Vladimir. "Mas em 1997 apareceram num descampado de Ozersk os corpos de uns soldados e de vários funcionários que supostamente estariam na noite anterior de serviço no complexo de Mayak. Num outro local da cidade foram encontrados os cadáveres de familiares dos funcionários. Fizemos umas averiguações que não deram em nada e o caso foi encerrado. Mas agora, ao ver essa fotografia, comecei a interrogar-me sobre o que realmente se teria passado e decidi reabrir o caso." "Descobriu alguma coisa nova?" "Ainda estamos a fazer o inventário do material dentro do cofre de Mayak."

 

Voltamos ao tema do roubo de material nuclear na Rússia por fanáticos islâmicos. Nesta altura do livro ficamos a saber que a AlQaeda desde 1997 (mais de 10 anos) tinha na sua posse material para fazer bombas atómicas, mas não, não as criaram. Para quê matar milhões de norte-americanos com uma bomba de urânio (basta juntar num só monte 50kg de urânio enriquecido e a explosão nuclear acontece espontaneamente) com o material que já possuíam, quando podiam "perfeitamente" se entreter a espetar aviões contra alvos impossíveis como as Torres Gémeas ou o Pentágono, obtendo a morte de uns pouco de milhares de infiéis. Sem dúvida, é uma lógica de génio JRS!

 

O outro golpe de génio desta parte é fazer crer o leitor que os russos são tão burros, mas tão burros mesmo, que quando encontraram os corpos dos militares da base (mortos pelos assaltantes islâmicos), não se lembraram que os militares eram militares e que na base militar havia material nuclear, daí que não tenham averiguado o que foi roubado na noite do crime! A sério JRS? Só agora, 11 anos depois, com uma foto podre dos agentes da CIA é que os murcões dos russos estão a perceber que terão sido roubados naquela noite? Que abuso! Ah, sim, encontram-se na floresta corpos de militares russos mortos no dia em que estavam de serviço, incluindo o porteiro da base, mas ninguém até hoje tinha associado uma coisa com a outra! Pkp!

 

Apologia da escravatura - Preparem-se que vêm diarreia de novo:  "Oiça, você sabe de que vos acusam os fundamentalistas? Eles culpam a América por ter exterminado os índios, por ter escravizado os negros, por ter cometido crimes de guerra em Hiroxima e Nagasáqui, e ainda na Coreia, no Vietname, no Iraque, no Afeganistão e por aí fora, por apoiar Israel, por apoiar os tiranos árabes, por explorar o petróleo dos países árabes, por imoralidade, por prática de usura, por autorizar o consumo de álcool, por permitir a liberdade sexual, por garantir a liberdade de expressão, por defender a democracia, por deixar que as mulheres sirvam passageiros nos aviões, por..." "Já entendi", atalhou Rebecca. "Somos culpados de tudo."

 

Pois são, são culpados dos crimes TODOS acima escritos. Não entendo é o drama criado por Noronha sobre este assunto! E acho de uma falsidade grotesca misturar crimes hediondos dos EUA com exemplos de liberdades humanas existentes nos EUA numa mesma frase de forma a baralhar as cabecinhas fracas do nosso Portugal! Que nojo! Que asqueroso! Que abjecto! Que comportamento vil JRS!

 

"Exactamente! Algumas destas acusações são muito estranhas, como decerto reparou. Por exemplo, esta acusação de a América ter escravizado os negros. Vinda de quem vem, é hilariante! Não era Maomé que permitia a escravatura? Ele até tinha escravos! E a Arábia Saudita? Sabe quando foi que este país islâmico, o mais sagrado de todos, a pátria de Maomé, a terra onde se encontra Meca e Medina... sabe quando foi que a Arábia Saudita aboliu a escravatura? Em 1962! Como é possível que os fundamentalistas islâmicos estejam tão indignados com práticas na América que eram aprovadas e exercidas pelo próprio Profeta?"

 

Outra vez? E agora pior, agora queres justificar o mal norte-americano dando exemplos de males alheios? Apologia do terror baseada em exemplos de terror? Saíste agora da caverna JRS? E sim, a Arábia Saudita ainda hoje no século XXI tem escravatura, graças SOBRETUDO ao apoio incondicional do seu patrão, os EUA! Não te enterres! Por que não dás exemplos de estados laicos com a Síria? E mais, invertamos a situação: toda a barbárie e terror do fundamentalismo islâmico recente pode ser  comparado (ler perdoado) com os horrores das guerras civis, golpes de estado e genocídios perpetrados pelos EUA no século passado na América do sul, logo, PARA QUÊ ESCREVESTE ESTE LIVRO? Todo o horror pode ser comparado (ler desculpado) com um outro qualquer num ciclo vicioso que te levaria à aurora da espécie humana. Por que escolheste então os árabes muçulmanos fanáticos islâmicos? Por seres um lambe-botas? Ah, esta passagem é sem dúvida uma das maiores barbaridades que já encontrei num "livro".

 

Bomba atómica saída do nada - 2 minutos de conversa da treta e já está... a forma infantil e improvisada na qual Bin Laden e Ahmed desenvolvem a ideia da bomba atómica! Que moca!

 

"A construção da bomba... não é impossível, espero." "Não, não. Se eu tiver urânio enriquecido em quantidade suficiente, isso faz-se sem grandes problemas técnicos. Como o senhor disse há pouco, os princípios são simples." "E a tal década de que estavas a falar ainda há instantes?" "Isso era para enriquecer o urânio ou para produzir plutónio. Mas se já dispomos de urânio enriquecido esse problema não se põe." Finalmente convencido de que o homem diante dele estava à altura da missão, o xeque esfregou as mãos. "Excelente! Excelente!", exclamou!"

 

Incoerências 2

O professor especialista em nulidade - eu que gosto de ver na internet entrevistas de verdadeiros historiadores e sábios como Henri Guille ou Bassan Tahhan, fico surpreendidíssimo ao constatar que o nosso Noronha, apesar de saber de cor montanhas de declarações falsas da CIA, do Pentágono e da ALQaeda, não sabe situar Lahore num mapa mundial! Como assim. Um historiador a sério, como os acima citados, sabem de cor os mapas políticos do passado, assim como as dinâmicas de avanços e recuos de fronteiras e estão a par da criação de novos países e suas fronteiras ao longo da história... este não sabe onde é a histórica cidade de Lahore! Jasus!

 

Conhecia a cidade de nome e de múltiplas referências históricas, mas percebeu que não era capaz de a situar no mapa. Pegou no atlas e procurou as páginas da Ásia. Encontrou o Paquistão e deslizou o indicador até Lahore. Ficava perto da fronteira com a índia, constatou.

 

E depois, quando lhe perguntam o nome do autor do livro "Um Manuscrito para Decifrar Mensagens Criptográficas", responde a bruta, quase perdendo o fôlego:

 

Abu Yusuf Yacub ibn Ishaq ibn as-Sabbah ibn Omran ibn Ismail Al-Kindi." Tomás pronunciou o nome muito depressa, extraindo um esgar perplexo do rosto da sua interlocutora. "Quem?" O historiador soltou uma gargalhada. "Para facilitar chamamos-lhe apenas Al-Kindi", esclareceu, divertido.

 

Ó Noronha, és o maior (da tua aldeia)! Ó JRS, não paras, é tudo ou nada com este Noronha!

 

Os taxistas suicidas - "Cuidado!", gritou Tomás ao ver o táxi ir na direcção de um auto-riquexó. Uma guinada rápida evitou a colisão no último momento. O taxista voltou a cabeça para trás e exibiu os dentes amarelos, no que parecia ser a caricatura de um sorriso. "Não se preocupe, mister. Aqui em Lahore é sempre assim.

 

Viveu anos no Cairo e não sabe já como é caótico o trânsito em metrópoles do género!?! E quê, é Noronha que vai ensinar um paquistanês a conduzir no caos urbano do seu país? Que broncalhada desnecessária, apenas para insistir que o macho tuga é o maior!

Clichés 2

Como os chineses - São todos iguais os muçulmanos, desde o governo laico sírio até à monarquia medieval da Arábia Saudita, passando pelos indonésios de remotas ilhas que nem percebem o que significa ser muçulmano, os crentes do Islão são como as caras dos chineses: todos iguais! É a irmandade total de moçambicanos, tchetchenos, malaios, sírios, sauditas, curdos, marroquinos, falam todos em uníssono e têm todos  a mesmíssima visão do mundo, claro... que não! O JRS se se deixar de Sheratons e se se puser a viajar por este mundo, ao final suicida-se relendo a merda que escreveu neste livro. Não é preciso citações, metade do livro é isto!

 

Ditadura no Irão - "Mas o Irão tem democracia, meu irmão", argumentou Ahmed. "E, que eu saiba, os
iranianos são muito respeitadores da sharia." "Já foram mais", retorquiu o mestre com um esgar irónico. "Além disso os iranianos são xiitas, não praticam o verdadeiro islão. De qualquer modo, é preciso notar que quem realmente manda no Irão são os ayatollahs, e esses não são eleitos. Os presidentes e os parlamentos do Irão, embora eleitos, não têm o poder de violar a sharia, apenas de a fazer respeitar.

 

Quem manda verdadeiramente na Europa é a comissão europeia e o presidente da comissão, e ESSES NÃO SÃO ELEITOS! Quem manda em Portugal é o FMI,  o Banco Mundial, o BCE, o Fitch, os "mercados", a Angela Merkel, etc, e ESSES NÃO SÃO ELEITOS! No Irão o poder está nas mãos dos manipuladores religiosos, nos EUA está nas mãos dos manipuladores económicos! No Irão, para passar como candidato na peneira religiosa, há que ser crente e conservador. Nos EUA há que ser bilionário ou encontrar pelo menos uns 500 a 800 milhões de dólares antes da campanha começar! Onde está a diferença? Porquê Irão, Irão, Irão, quer nas tuas "notícias" na TV, quer na tua "obra" literária! Já enjoa este preconceito anti-Irão! Da-se!

 

Fundamentalistas - Claro, o que mais há nas prestigiadas universidades árabes é fundamentalistas... e coelhos da Páscoa! Leiamos:

Estudei na Universidade de Al-Azhar, a mais prestigiada universidade islâmica do mundo, e passei a perceber melhor o que se passa na mente dos muçulmanos. Falei com todo o tipo de gente, nem imagina." "Conheceu fundamentalistas?" "Claro."

 

No Ocidente teologia e história da religião são matérias de conhecimento sérias e respeitadas. No mundo árabe estudos islâmicos são aulas práticas de montagem e detonação de explosivos!

 

Entra fanático religioso, saí jiaidista - "Saio daqui com raiva! Saio daqui revoltado! Alguma vez aceitarei o que o nosso governo nos está a fazer? Jamais! Como é possível que acredite que eu seja assim tão fraco?" Pousou a mão no peito. "Nós somos crentes e eles perseguem os crentes! Como se atrevem eles? E como se atreve o meu irmão a pensar que eu tenho medo desses... desses cães? Se acha que esta gente do Diabo me fez medo, a mim, engana-se!"

 

O Ahmed chama prostituta e cão raivoso a turistas sem razão aparente. Vai preso por isso e quando sai da prisão vai directo alistar-se na AlQaeda. Linear! É mesmo assim que se formam membros da AlQaeda. Este senhor precisa mesmo de investigar a história da AlQaeda, de como os EUA a criaram, o que se passou entre ela e as forças militares soviéticas durante o conflito de 1979. Investigar como era o Afeganistão socialista e progressista antes da chegada da AlQaeda. Espantar-se que o EUA foi dos primeiros países a reconhecer diplomaticamente o poder dos talibãs no Afeganistão depois do golpe de 1996. Enfim, tanta coisa... JRS deveria simplesmente fazer restart e voltar ao jardim de infância!

 

Tortura - os árabes "torturam", os ocidentais usam "métodos mais musculados". O efeito é igual, mas enfim, o artista adora minimizar a barbárie ocidental com eufemismos pacóvios. JRS não se atreve a juntar a palavra "tortura" a cidadãos da terra do tio Sam torturadores, provocar-lhe-ia um derrame cerebral, imagino! Não dá é para perceber porquê!?! Afinal, os livro de torturas modernos e seus executores na América Latina, Médio Oriente e por aí fora, ou são norte-americanos ou aprenderam com norte-americanos na Escola das Américas. Não sabes que escola é essa? Vai ao google!

 

"Vontade não nos faltou", murmurou Rebecca, como quem faz um aparte. "Mas, tendo em conta as circunstâncias, não podíamos seguir de imediato para os métodos mais musculados.

 

Quando crescer quero ser mujaidine! Ahahah: "Queremos que te treines para ser um mudjahedin." Ahmed nem queria acreditar no que estava a ouvir. Treinar para ser um mudjahedin? "Mas... mas isso é o meu sonho! Por Alá, isso é maravilhoso! Não desejo outra coisa na vida!"

 

Mais uma: "Mukbayyam, todos o sabiam, era o nome que se dava aos campos de treino no Afeganistão. Estaria o seu sonho à beira de se concretizar? Por Alá, esperara tanto tempo por aquele momento!" Ah, quem não sabe uma coisa dessas!

 

Sonhos e mais sonhos! Já agora, não sonham com 72 duas virgens pá! Loiras como palha, de olhos azuis, lábios com sabor a morango e mamas arrebitadinhas! É que a ser assim até JRS se converte ao Islão e se rebenta com cintos explosivos!

 

Com tanta baboseira a desmontar, a crítica às questões centrais não couberam nesta 2ª parte. Na 3ª e última farei análises mais profundas a essas questões: a bomba atómica, a ideologia do terrorismo islâmico, o choque de civilizações, a supremacia ocidental, a supremacia religiosa do cristianismo face ao Islão, a paralisia mental e o heroísmo azeiteiro de Noronha, a inferioridade intelectual russa e as suas inúmeras prostitutas,  o código desencriptado, o desfecho hollywodiano do livro e sim, a orientação sexual da loira de mamas arrebitadas! Ahahah! E outras surpresas mais! Entretanto vejam estes documentários e as verdades sobre  a AlQaeda e outras "fontes de informação" de JRS para este livro, assim como as explicações de conceitos religiosos como "Califado" explicados por um verdadeiro historiador (Bassan Tahan):

The Empire Files - 9/11 and the Belligerent Empire

 

A qui profite l'avènement du nouveau califat ?

 

Um bem haja!

 

Luís Garcia, Lampang, Tailândia, 13.11.2015

 

 

FAÇA DOWNLOAD DESTE ARTIGO EM PDF:  PDF

 

 
Vá lá, siga-nos no Facebook! :)
visite-nos em: PensamentosNómadas

Categorias

POLITICA - banner

SOCIEDADE - banner

VIAGENS - banner

RELIGIÃO - banner

ECONOMIA

Literatura

Tecnologia

CIENCIA

FOTOGRAFIA

EN FRANÇAIS

IN ENGLISH

 

Livros em PDF - LISTA DE AUTORES POR ORDEM ALFABÉTICA

Os Nossos Artigos em PDF

Arquivo

O gestor do blog

foto do autor

Siga o blog

Follow