Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Pensamentos Nómadas

Nomadic Thoughts - Pensées Nomades - Кочевые Мысли - الأفكار البدوية - 游牧理念

Pensamentos Nómadas

Nomadic Thoughts - Pensées Nomades - Кочевые Мысли - الأفكار البدوية - 游牧理念

Elon Musk – o Moisés do capitalismo, o Cristo dos amantes da ciência, o Obama do sistema empresarial e o Iron Man dos empreendedores yuppies e millennials , por Ricardo Lopes

 

Elon Musk

 

RICARDO MINI copy  SOCIEDADE TECNOLOGIA  ECONOMIA

 

Elon Musk – o Moisés do capitalismo, o Cristo dos amantes da ciência, o Obama do sistema empresarial e o Iron Man dos empreendedores yuppies e millennials

(Para fazer jus à tradição de nomes de meio quilómetro dos imperadores romanos e à megalomania do homem)

 

O que proponho fazer com este texto é desconstruir a imagem de Nosso Senhor Jesus Cristo que, muitos amantes da ciência e outros demais analfabetos científicos mas que pensam que ciência se constrói com base no “senso comum” e que se dedicam a fazer “cherry-picking” de artigos que validam os seus preconceitos sobre os mais variados assuntos, atribuem a Elon Musk. Vou tentar analisar as principais ideias e ideologias de Elon Musk e, principalmente, fazer uma nova leitura da sua atividade empresarial, como CEO e CTO da SpaceX e como CEO da Tesla Motors e das suas ideologias sociopolíticas, como seja o facto de defender a implementação de um RBI (Redimento Básico Incondicional) ou UBI (Universal Basic Income), em inglês.

 

Para tal, e aproveitando o facto de estar repleto de citações do próprio Elon Musk, vou basear-me fundamentalmente neste artigo, que recomendo que leiam na íntegra, porque é importante perceber as ligações megalomaníacas e a personagens históricos intemporais que são estabelecidas com este novo suposto messias das novas tecnologias.

 

Ora, do primeiro até ao terceiro parágrafo somos, basicamente, brindados com a típica história contruída para reforçar a cenoura virtual do capitalismo do “self made man”. A típica história do desgraçadinho que foi da África do Sul para os EUA, e que se foi impondo por via do trabalho exaustivo, da resiliência e das capacidades inatas, no meio empresarial americano. A história do desgraçadinho, que, entretanto, o autor do artigo se esquece de referir (propositadamente?) que era filho de um engenheiro eletromecânico e de uma modelo e nutricionista e, como tal, conseguiu ter acesso aos cursos que queria na universidade e só não terminou o doutoramento porque não quis…cof cof…porque, tal como todos os grandes “visionários” que conseguiram transitar no ambiente intelectual tecnológico americanos dos anos 90, deixou-se levar pela maré e criou uma companhia de software online, com cuja venda arrecadou uns módicos 300 milhões de dólares, e, mais tarde, o PayPal, que vendeu ao eBay por 1,5 biliões de dólares. Portanto, logo aqui, começamos a vislumbrar o vanguardismo de Musk (seguir tendências e fazer dinheiro fácil) e o seu grande interesse pelos negócios. Aliás, ele tem curso de economia e, a determinada altura, poderão ler no artigo que ele não tem problemas nenhuns em dizer que gosta de ganhar dinheiro. Claro, quem é que gostando de economia e de ser empresário não gosta de nadar em dinheiro, se tiver a oportunidade?

 

Agora, e também antes que me acusem de ser um grande invejoso, porque na mente da tugalhada já se sabe que um tuga que se meta a criticar negativamente ou a maldizer alguém que ocupa uma posição social mais privilegiada só o pode fazer porque tem inveja, e maledicência é guardada para os pobres, os sem-abrigo, os ciganos, os imigrantes e os vizinhos, vou passar para a análise da sua mentalidade, e vou fazê-lo, principalmente, através de citações do artigo referido, já que melhor do que eu a escrever é mesmo ter a informação direta da fonte, para tentar inverter aqui os maneirismos do jornalismo moderno (ou até mesmo do antigo).

 

‘I think there is a strong humanitarian argument for making life multi-planetary,’ he told me, ‘in order to safeguard the existence of humanity in the event that something catastrophic were to happen, in which case being poor or having a disease would be irrelevant, because humanity would be extinct. It would be like, “Good news, the problems of poverty and disease have been solved, but the bad news is there aren’t any humans left.”’

 

Portanto, aqui ficamos a saber que Elon Musk considera a colonização interplanetária fundamental para sobrevivência da espécie humana, no caso, e sublinho NO CASO, de ocorrer uma catástrofe, perante a qual já não interessaria se se era pobre ou doente, porque toda a humanidade estaria extinta. Com o docinho no fim da citação de “Boas notícias, os problemas da pobreza e das doenças foram resolvidos, mas as más notícias são que não sobraram nenhuns humanos.”, que é já dica para o que se seguirá no seu pensamento altamente intrincado.

 

Mais à frente, temos a megalomania dos modernos tech-savvy multimilionários exposta em todo o seu esplendor:

 

They imply that humanity and civilisation are less good than their absence. But I’m not in that school,’ he said. ‘I think we have a duty to maintain the light of consciousness, to make sure it continues into the future.’

‘At our current rate of technological growth, humanity is on a path to be godlike in its capabilities,’

 

Veja-se, então, o enorme fardo que carrega o desgraçado do Elon Musk e seus congéneres: o de permitir que continue a existir iluminação no Universo, por via da consciência humana, e permitir que a humanidade atinja um estado deítico. Se Elon Musk, Bill Gates, os senhores da Apple, da Samsung, e mais toda a pitalhada yuppi e millennial das startups tecnológicas não intervir, o Universo ficará, para sempre, remetido ao desconhecimento de si próprio. O Universo sofrerá por ter de seguir uma existência sem propósito, por não ter meio de se conhecer a si próprio. O que poderá existir de pior do que isto? O que é a pobreza e a doença num minúsculo ponto no Universo, quando todo ele sofrerá se não se seguir esta via? Quem é que é mesquinho o suficiente para se preocupar com arranjos atómicos temporários sob a forma de seres humanos, quando o mais importante de tudo é salvaguardar o futuro psicológico de toda a matéria que compõe o Universo conhecido e, provavelmente, o ainda desconhecido?

 

Musk has a more sinister theory. ‘The absence of any noticeable life may be an argument in favour of us being in a simulation,’ he told me. ‘Like when you’re playing an adventure game, and you can see the stars in the background, but you can’t ever get there. If it’s not a simulation, then maybe we’re in a lab and there’s some advanced alien civilisation that’s just watching how we develop, out of curiosity, like mould in a petri dish.’ Musk flipped through a few more possibilities, each packing a deeper existential chill than the last, until finally he came around to the import of it all. ‘If you look at our current technology level, something strange has to happen to civilisations, and I mean strange in a bad way,’ he said. ‘And it could be that there are a whole lot of dead, one-planet civilisations.’

 

Eu amo, amo sinceramente, do fundo do meu sistema límbico, esta teoria. Somos uns grandes cientistas e tecnocratas, mas vamos lá inventar uma teoria altamente conveniente para podermos reforçar a lavagem das mãos dos reais problemas humanos. Ah e tal, isto até o mais provável é estarmos todos a viver numa gigantesca simulação. Gigantesca, do nosso ponto de vista, que para quem a criou ela até está provavelmente a correr num supercomputador. E é nesta altura que vos convido a ver esta rica e deliciosamente sarcástica palestra de Maciej Ceglowski, que expõe o grau de alienação da gente de Silicon Valley. Mas, enfim, se é tudo simulado, o que temos de melhor a fazer é mesmo levar isto como um jogo, que é na realidade, e andar a brincar à exploração espacial, enquanto se caga para os problemas humanos.

 

Musk identifies strongly as an engineer. That’s why he usually takes a title like chief technical officer at the companies he runs, in addition to chief executive officer. He had been reading stacks of books about rockets. He wanted to try building his own.

Six years later, it all looked like folly. It was 2008, a year Musk describes as the worst of his life. Tesla was on the verge of bankruptcy. Lehman had just imploded, making capital hard to come by. Musk was freshly divorced and borrowing cash from friends to pay living expenses. And SpaceX was a flameout, in the most literal sense. Musk had spent $100 million on the company and its new rocket, the Falcon 1. But its first three launches had all detonated before reaching orbit. The fourth was due to lift off in early Fall of that year, and if it too blew apart in the atmosphere, SpaceX would likely have numbered among the casualties. Aerospace journalists were drafting its obituary already. Musk needed a break, badly. And he got it, in the form of a fully intact Falcon 1, riding a clean column of flame out of the atmosphere and into the history books, as the first privately funded, liquid-fuelled rocket to reach orbit.

SpaceX nabbed a $1.6 billion contract with NASA in the aftermath of that launch, and Musk used the money to expand rapidly.

 

Aqui temos mais propaganda capitalista à descarada, mas também não podemos esperar mais do que o editor-chefe de uma das mais prestigiadas revistas americanas, a The Alantic. Afinal de contas, vamos cagar para a grande equipa de cientistas das respetivas áreas que Musk tem a trabalhar para ele. Musk é um Obama empresarial e, portanto, tem de lavar a própria imagem e a das empresas que encabeça. Musk é um ser todo-poderoso que avia altos calhamaços de engenharia aeroespacial e projeta sozinho os vaivéns. Mas, ao mesmo tempo, é um grande filantropo que projeta carros elétricos que ele quer que sejam completamente limpos, através das suas Gigafactories, projeta supertelhas com células fotovoltaicas que convertem energia solar em elétrica e a armazenam nas super powerwalls, projeta hyperloops para transporte supersónico de pessoas em tubos de vácuo e ainda tem tempo para ir coçando a tomateira e aparecer em vídeos do Big Think, ao lado de qualquer outro opinadeiro que tenha ideias “originais” a debitar para um vídeo entre 3 a cerca de 20 minutos, entre os quais se contam grandes analistas modernos como Slavoj Žižek, para quem o cinema de Hollywood tem feito um magnífico trabalho com filmes a representar criteriosamente possíveis futuros distópicos para a humanidade, caso alguém de esquerda, que não ele, não arranje uma solução que ele não encontra para um sistema alternativo, que ele ainda não conseguiu encontrar, provavelmente por ler as coisas erradas e perder tempo a consumir lixo audiovisual.

 

Mas, não nos afastemos do tema deste artigo, até porque a questão da filantropia e da genialidade de Elon Musk virão mais à frente. Só para terminar esta parte, é importante perceber que Elon Musk apenas emprega grandes entendidos no assunto, porque ele não tem tempo para tudo, há muito cálculo que tem de delegar a terceiros e precisa de justificar a existências das empresas deles através do número de empregos que cria. E, claro, como sempre, a injeção de dinheiro público que teve, através da NASA, não interessa incluir como premissa indispensável para o seu sucesso. Afinal de contas, ele só teve acesso a tais fundos por via do mérito pessoal demonstrado. Isso e ter nascido com capacidades inatas, não esqueçamos. ;)

 

Musk isn’t shy about touting the speed of his progress. Indeed, he has an Ali-like appetite for needling the competition. A Bloomberg TV interviewer once asked him about one of Tesla’s competitors and he laughed in response. ‘Why do you laugh?’ she said. ‘Have you seen their car?’ he replied, incredulously. This same streak of showmanship surfaced when Musk and I discussed the aerospace industry. ‘There have been a number of space startups,’ he told me. ‘But they have all failed, or their success was irrelevant.’

 

Eu não disse? Só quem atinge o topo da montanha, como Musk, se pode dar ao lixo de ser cagão à descarada. Respeitem. Não julguem!

 

‘SpaceX is only 12 years old now,’ he told me. ‘Between now and 2040, the company’s lifespan will have tripled. If we have linear improvement in technology, as opposed to logarithmic, then we should have a significant base on Mars, perhaps with thousands or tens of thousands of people.’

Musk told me this first group of settlers will need to pay their own way. ‘There needs to be an intersection of the set of people who wish to go, and the set of people who can afford to go,’ he said. ‘And that intersection of sets has to be enough to establish a self-sustaining civilisation. My rough guess is that for a half-million dollars, there are enough people that could afford to go and would want to go. But it’s not going to be a vacation jaunt. It’s going to be saving up all your money and selling all your stuff, like when people moved to the early American colonies.’

 

Agora, esta sim, é uma das partes, senão a parte mais interessante de todo o artigo: o masterplan de Musk para colonizar Marte. E o melhor é que fica exposto, pela sua própria boca, que o plano envolverá apenas pessoas com bastante dinheiro, com pelo menos 500000 dólares para gastar. E, claro, pessoas que estejam dispostas não só a estoirar a sua conta offshore, como também a vender toda a sua tralha.

 

Hum, agora tive uma branca, quem é que costuma oferecer a salvação às pessoas e pedir-lhes tudo de material em troca? Será deus? Serão os profetas? Será o professor Caramba, mestre em magia negra e branca mais forte? Será o Jim Jones? Serão os budistas? Eh pá, provavelmente não é nenhum destes mas, assim de repente, não consigo estabelecer outras associação. Não sei bem porquê…

 

It is possible that Mars could one day be terraformed into an Earthly paradise, but not anytime soon. Even on our planet, whose natural systems we have studied for centuries, the weather is too complex to predict, and geoengineering is a frontier technology. We know we could tweak the Earth’s thermostat, by sending a silvery mist of aerosols into the stratosphere, to reflect away sunlight. But no one knows how to manufacture an entire atmosphere. On Mars, the best we can expect is a crude habitat, erected by robots. And even if they could build us a Four Seasons, near a glacier or easily mined ore, videoconferencing with Earth won’t be among the amenities. Messaging between the two planets will always be too delayed for any real-time give and take.

Cabin fever might set in quickly on Mars, and it might be contagious. Quarters would be tight. Governments would be fragile. Reinforcements would be seven months away. Colonies might descend into civil war, anarchy or even cannibalism, given the potential for scarcity. US colonies from Roanoke to Jamestown suffered similar social breakdowns, in environments that were Edenic by comparison.

 

E eis que o editor do The Atlantic tem dois parágrafos de lucidez, depois de já ter passado todo um texto, e ir passar o restante, sob o jugo de uma embriaguez artística. Mas, será que Musk se deixa ficar? Será que Musk alguma vez é capaz de desistir perante as adversidades? Alguma vez ele o fez? Alguma vez ele deixou de frequentar a universidade e tirar vários cursos só porque o pai não era mais do que um engenheiro eletromecânico e a mãe uma modelo e nutricionista? Alguma vez ele baixou os braços depois de ter decidido aproveitar as negociatas dos primórdios da internet e ter feito quase dois biliões com dois websites? Alguma vez ele deixou de comer o pão que o diabo amassou a pedir empréstimos aos amigos para pagar a renda de casa enquanto ele batia recorde atrás de recorde a requisitar calhamaços e engenharia aeroespacial na biblioteca municipal? Nunca! Portanto, virá alguma solução.

 

Some individuals might be able to endure these conditions for decades, or longer, but Musk told me he would need a million people to form a sustainable, genetically diverse civilisation.

‘Even at a million, you’re really assuming an incredible amount of productivity per person, because you would need to recreate the entire industrial base on Mars,’ he said. ‘You would need to mine and refine all of these different materials, in a much more difficult environment than Earth. There would be no trees growing. There would be no oxygen or nitrogen that are just there. No oil.’

 

Ah, esperem, afinal ele tem mesmo solução, e, como não poderia deixar de ser, altamente inovadora. Algo que nunca se viu em milénios de história da humanidade: escravizar as pessoas para acelerarem o trabalho. Portanto, custa terraformar Marte? Ah, pois custa, e ele não o nega! Meus amigos, quem melhor para arregaçar as mangas e trabalhar horas extra do que os grandes paladinos do capitalismo que o fizeram para arrecadar fortunas? Vá, toca a pegar na enxada, que há batatas para semear!

 

Mais uma vez, quem é que isto me faz mesmo lembrar? Foda-se, só me consigo lembrar do Jim Jones!

 

E, e, e, atenção, não podemos deixar passar esta parte em falso. Onde é que ele foi buscar o número de 1 milhão de pessoas como o mínimo necessário para colonizar Marte? Porque, segundo o próprio, é o necessário para ter uma civilização com suficiente diversidade genética. Portanto, subam a bordo da nave espacial de Musk, rumo à terraformação de Marte, ao trabalho escravo, à renúncia de todos os bens materiais e…à eugenia encapotada. Bem diz o gajo que escreveu o artigo que ele é uma espécie de Moisés a levar o povo eleito para a Terra Prometida. Ah ah! Julgam que brinco? Então, levam já com a parte final do artigo, antes de eu continuar:

 

But he seems to see himself as a Moses, someone who makes it possible to pass through the wilderness – the ‘empty wastes,’ as Kepler put it to Galileo – but never sets foot in the Promised Land.

 

Vá, quando eu fizer piadas, não digam que sou eu que tenho mau feitio, porque, no fundo, até nem fui eu que as inventei. LOL!

 

After talking with Musk, I took a stroll through his cathedral-like rocket factory. I wandered the rows of chromed-out rocket engines, all agleam under blue neon. I saw white tubes as huge as stretched-out grain silos, with technicians crawling all over them, their ant-farm to-and-fro orchestrated from above, by managers in glass cube offices. Mix in the cleanroom jumpsuits and the EDM soundtrack, and the place felt something like Santa’s workshop as re-imagined by James Cameron. And to think: 12 years ago, this whole thrumming hive, this assembly line for spaceships, did not even exist, except as a hazy notion, a few electrified synapses in Musk’s overactive imagination.

 

Momento “pita histérica” do editor do The Atlantic. Eh pá, sim, já percebemos que tens sonhos molhados com o Elon Musk e que o vês como o Moisés, mas, por favor, baixa um pouco o tom de voz, que o que já começa a ressentir-se são as minhas sinapses da matéria cinzenta.

 

No entanto, não esqueçam, nunca, e que é a mensagem derradeira que o autor voz quer transmitir, de que tudo isto provém exclusivamente do génio de Elon Musk.

 

I asked Musk if he’d made peace with the possibility that his project could still be in its infancy, when death or infirmity forces him to pass the baton. ‘That’s what I expect will be the case,’ he said. ‘Make peace with it, of course. I’ve thought about that quite a lot. I’m trying to construct a world that maximises the probability that SpaceX continues its mission without me,’ he said. I nodded toward a cluster of frames on his wall, portraits of his five sons. ‘Will you give it to them?’ He told me he had planned to give it to an institution, or several, but now he thinks that a family influence might be stabilising. ‘I just don’t want it to be controlled by some private equity firm that would milk it for near-term revenue,’ he said. ‘That would be terrible.’

This fear, that the sacred mission of SpaceX could be compromised, resurfaced when I asked Musk if he would one day go to Mars himself. ‘I’d like to go, but if there is a high risk of death, I wouldn’t want to put the company in jeopardy,’ he told me. ‘I only want to go when I could be confident that my death wouldn’t result in the primary mission of the company falling away.’ It’s possible to read Musk as a Noah figure, a man obsessed with building a great vessel, one that will safeguard humankind against global catastrophe. But he seems to see himself as a Moses, someone who makes it possible to pass through the wilderness – the ‘empty wastes,’ as Kepler put it to Galileo – but never sets foot in the Promised Land.

And he can preach. He says we are doomed if we stay here. He says we will suffer fire and brimstone, and even extinction. He says we should go with him, to that darkest and most treacherous of shores. He promises a miracle.

 

Portanto, temos, como já se tinha visto, Moisés, Terra Prometida e…nepotismo. Nepotismo porque, claro está, em quem mais confiar para legar a salvação da humanidade do que os próprios filhos. Quem é que é o maluco que pensaria em deixar as empresas a uma instituição ou várias, que não fariam mais do que espremer o lucro? Quem é que é o maluco que vai na conversa do setor privado? Hum…

 

Este artigo até poderia parar por aqui, mas onde é que se encaixa tudo aquilo que eu tinha referido anteriormente (Tesla Motors, Gigafactory, Powerwall, supertelhas, Hyperloop) na simulação em que Musk diz que vivemos, e que a Google já pagou a engenheiros de computadores para tentarem hackear o sistema e libertar-nos dela (não acreditam? Vejam a palestra do Maciej, que vos deixei acima), e num Universo que é muito maior do que os problemas mundanos do minúsculo mundinho humano, acima do qual está, claramente Musk, como o Moisés do capitalismo?

 

Eh pá, para mim, e depois de saber que ele defende o RBI, não são mais do que manobras de distração, e até porque ele é o Obama do sistema empresarial, o Iron Man do empreendedorismo (é ele próprio que o diz) para manter o pessoal no geral convencido de que até é possível mudar o mundo por esta via, e os millennials que andam para aí a trabalhar na impressão 3D, na nanotecnologia, no ativismo verde e a criar revistas do Instagram, podem estar descansados, podem continuar a consumir produtos derivados de um sistema insustentável, porque o seu status moral já está a um tal nível que eles estão ilibados de toda a merda que lhes apeteça fazer, qual Napoleão ou César. Para além disso, até deus, até deus!, não se preocupava apenas com o Povo Eleito, mas sim com toda a humanidade, afinal todos eram seus filhos e todos somos irmãos uns dos outros, nesta bagunça incestuosa em que vivemos. Quem disse que alguém que tem uma fortuna superior ao PIB de muitos países do terceiro mundo não pode nutrir empatia por pessoas incapazes, por pessoas a quem faltam as características para se tornar pessoas distintas neste mundo selvático? Não, não, nada disso. Agora, entretenham-se a consumir os meus produtos super híper mega ambientalistas, que vos exoneram de quaisquer outros tipos de preocupações em relação aos vossos restantes irmãos, e, entretanto, fiquem aí a entreter-se com dinheiro oferecido, também para gastarem nos super híper mega produtos, quais velas acendidas aos santinhos, que salvarão este mundo, enquanto o Musk prepara a sua grande fuga para Marte, com o bolso cheio de 500000 dólares de cada uma das pessoas que compõem o milhão do Povo Eleito, e as vai submeter a trabalho escravo e, possivelmente, fazer beber um suminho de laranja com aditivos, que o que seria do Universo sem a consciência que adquiriu através da raça superior dos seres humanos e, ainda mais importante do que isso, sem um sistema para explorar insustentavelmente os recursos de todos os planetas pelos quais se espalhar? Vá, mãos à obra, toca a contribuir para a economia a explorar terceiros para fazer dinheiro suficiente para migrar para um novo planeta e usufruir de uma vida de luxo e requinte a trabalhar como escravo no local mais exótico da história da humanidade, ou a consumir para dinamizar a economia!

 

Musk nas alturas! Amém!

 

Ricardo Lopes

 
Vá lá, siga-nos no Facebook! :)
visite-nos em: PensamentosNómadas