Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Pensamentos Nómadas

Nomadic Thoughts - Pensées Nomades - Кочевые Мысли - الأفكار البدوية - 游牧理念

Pensamentos Nómadas

Nomadic Thoughts - Pensées Nomades - Кочевые Мысли - الأفكار البدوية - 游牧理念

Livros de Julian Assange em português (PDF)

 

cover153-370x540.jpg

 

LIVRO EM PDF:

 

ATENÇÃO

O site Pensamentos Nómadas não é proprietário dos ficheiros em PDF, apenas partilha hiperligações disponibilizadas por terceiros na rede. Se as hiperligações deixarem de funcionar, por favor avisem-nos na forma de comentário a este artigo e com toda a brevidade tentaremos encontrar hiperligações substitutas.

 

 
Vá lá, siga-nos no Facebook! :)
visite-nos em: PensamentosNómadas

Bolo'bolo em português (PDF)

 

capa.jpg

 

LIVRO EM PDF:

 

ATENÇÃO

O site Pensamentos Nómadas não é proprietário dos ficheiros em PDF, apenas partilha hiperligações disponibilizadas por terceiros na rede. Se as hiperligações deixarem de funcionar, por favor avisem-nos na forma de comentário a este artigo e com toda a brevidade tentaremos encontrar hiperligações substitutas.

 

 

 

 

 

 
Vá lá, siga-nos no Facebook! :)
visite-nos em: PensamentosNómadas

Putin, o mestre da diplomacia-xadrez

 

putinas

 

Luís Garcia  POLITICA 

 

A reacção de Putin ao abate do seu bombardeiro por parte da Turquia no espaço aéreo sírio tornou-se na grande questão do momento, há uns dias atrás. Muita gente temia uma reacção musculada de Putin que poderia ter como consequência o deflagrar da 3ª e última Guerra Mundial. Mas esperar tal reacção supõe o total desconhecimento da estratégia e perícia de Putin no tabuleiro de xadrez geopolítico, assim como denota uma distracção enorme face a todas as recentes tentativas que os EUA (e os seus manietados estados vassalos da UE e companhia) têm criado para convidar a Rússia a entrar numa Guerra Mundial, as quais Putin tem sabido evitar sempre de forma sábia, aproveitando também, no processo, para por em posição de fazer xeque várias das usas peças.

 

Portanto, ao contrário do que poderiam acreditar os seus fãs mais eufóricos, Putin reagirá pouco, os russos andam há 25 anos a mostrar bom-senso em política externa e diplomacia, humilhando-se e indo com frequência contra os seus próprios interesses em prol da paz mundial. O bullying dos EUA tem prevalecido, portanto, enquanto Putin tem preferido o binómio paz/humilhação-russa em detrimento de guerra/altivez-russa.

 

Recentemente as coisas têm mudado e os russos tendem a ocupar o seu lugar lógico no tabuleiro de xadrez. Agora, sim, é complicado gerir os últimos desenvolvimentos: um avião de passageiros russo abatido pelo terrorismo (ocidental) do ISIS no Egipto, sabotagem de electricidade em toda a Crimeia (russa) às portas do inverno por parte do grupo neo-nazi Right Sector com o patrocínio do governo ucraniano e, para rebentar a escala, o troglodita Erdoğan abate-lhes um bombardeiro indefeso e em missão contra-terrorista nos céus da Síria! Que dizer? A verdade é que, com escudos anti-míssil norte-americanos na Polónia República Checa e Roménia apontados à Rússia, com tropas de intervenção da NATO literalmente na fronteira EU-Rússia (nomeadamente na Estónia), com o golpe dos EUA/FMI na Ucrânia e com o patrocínio de terrorismo na Síria, os EUA levam de facto anos empurrando a Rússia para um conflito global! Nada de novo portanto.

 

A única reacção "justa" e soberana seria bombardear alvos militares da Turquia e exigir-lhe o pedido de desculpas oficial a uma Turquia então humilhada. Como à sensatez pacífica russa não lhe agrada guerras mundiais, os russos não o farão, e bem, bem para a humanidade! Os russos podiam jogar sujo e treinar e ajudar a formar hipotéticas guerrilhas curdas ou arménias numa lógica terrorista, em jeito de retaliação suja. Mas quem conhece a história geopolítica russa sabe que isso nunca aconteceria. Os russos são muito pragmáticos e muito mais sensatos que o nosso Ocidente nesta matéria, sabem que criar terrorismo acaba por ser o caminho para sofrer terrorismo, coisa que os norte-americanos e os seus vassalos adoram ignorar. Veja-se AlQaeda, AlNusra, Boko Haram, AQMI, ISIS e toda a parafernália terrorista que o Ocidente insiste em criar mesmo estando consciente que acaba por perder controlo de todo e qualquer grupo terrorista que cria! Portanto, vamos ter paz até ao dia em que os russos sensatos percam a paciência e aceitem o longo convite ocidental de uma guerra mundial. Nesse dia voltamos à idade da pedra, mas não é para agora uma vez que a paciência russa e a paciência de Putin estão longe de ter acabado! Felizmente! E talvez nunca chegue a acontecer se, como tudo indica, as jogadas de Putin no tabuleiro de xadrez planetário continuarem a ser acertadas.

 

Putin reagirá com ameaças verbais e com medidas/castigos económicos para a Turquia  Para os EUA-NATO responderá com movimentos políticos, económicos e militares estratégicos dentro dos países seus aliados, actos que não ousava até então, por respeito aos EUA, e que agora ousa dada a demonstração clara de supremacia da Rússia perante um conflito mundial convencional exibido na forma dos modernos mísseis disparados do mar Cáspio para a Síria. O pessoal não toma atenção a estes detalhes mas o que a Rússia fez era desnecessário do ponto de vista prático. Por certo que poderia ter atacado os mesmos alvos do ISIS a partir de um navio de guerra ou submarino estacionados em Tartus (Síria) ou a partir das suas bases militares em solo sírio É, para mim, posso estar enganado, uma espécie de Hiroxima e Nagasáqui russos em miniatura: não tiveram como objectivo principal destruir o inimigo factual e momentâneo, muito mais fraco, mas enviar uma mensagem de supremacia à outra potência. As bombas nucleares foram uma mensagem de supremacia destruidora total dos EUA face a Rússia. Os mísseis do mar Cáspio foram uma mensagem de supremacia convencional da Rússia face aos EUA, o que num mundo em que sabiamente se recuse o uso do nuclear, coloca a Rússia na posição de começar a dar ordens em vez de recebê-las ou, de proibir futuras invasões dos EUA a terceiros em vez de pragmaticamente fingir que não vê!

 

Os EUA e companhia têm empurrado a Rússia a cair e a despoletar uma terceira guerra mundial. Como grande mestre de xadrez geopolítico que é, Putin tem evitado sabiamente todos os convites envenenados e mais, aos poucos tem vindo a inverter com toda a calma as situações desfavoráveis de tal modo que, agora, é a Rússia que está por cima e sobre controlo de todos os cenários de confronto criado pelos EUA (e companhia), permitindo-se mesmo ditar as regras e apontar o dedo aos criadores da barbárie, do roubo e da destruição. Não esquecer que fá-lo tão bem que nem precisa chamar as bestas pelos nomes para que se perceba de quem está a falar, demonstrando dotes de diplomacia de todo desconhecidos pelos políticos ocidentais. Estes últimos fazem precisamente o contrário.  A França é um exemplo gritante. Assaltou Bengazi com com tropas especiais, dizimou milhares de líbios habitantes dessa cidade, para depois os seus políticos acusarem Gadafi de ser um "genocida".  A França orquestrou e implementou o ataque químico de Guta, na Síria, para depois os seus políticos etiquetarem Al Assad de "sanguinário" (leia-se, a propósito, o artigo de Thierry Meyssan: Cómo los servicios de inteligencia de Occidente fabricaron «el ataque químico» de la Ghouta).

 

Comment les services occidentaux ont fabriqué l'attaque chimique de la Ghouta

  

Recapitulemos, por fim, os principais actos ocidentais de pressão sobre a Rússia que Putin soube sabiamente converter em seu favor:

 

Ucrânia: Os EUA e seus estados vassalos inventaram uma revolta contra o "regime" (democrático) de Viktor Yanukovych, como castigo por ter recusado um acordo económico com FMI e EUA, e por ter aceito assinar um acordo económico estratégico com a Rússia de Putin. Resultado: a palhaçada do EuroMaidan. Mercenários tchetchenos e polacos, assim como guerrilhas ucranianas ligadas a grupos neo-nazis (Right Sector é um exemplo), criaram uma mini-guerra civil na capital do país, enquanto os nossos media apelidavam esses 3000 bandidos de agricultores famintos protestando contra a opressão! De rir, sobretudo para quem se deu ao trabalho de analisar ao pormenor os métodos de guerrilha urbana, os equipamentos profissionais e os materiais militares usados por esses "agricultores famintos" (como o líquido inflamável cujas chamas são impossíveis de extinguir, uma modernice bélica do Pentágono). Resultados: os EUA instalaram uma ditadura económica fantoche governada por funcionários do FMI, com ministros estrangeiros provenientes dos EUA, assim como da Lituânia e da Geórgia, 2 tristes vassalos de Washington (a ler: Foreign-born ministers in Ukraine's new cabinet, BBC.com); em 3 horas aprovou-se uma constituição ilegal xenófoba anti-russos (interdição de falar russo em locais oficiais, e por aí fora), e instalou-se a caça às bruxas russas. Não é de espantar portanto que regiões de populações maioritariamente russas como Dombass se tenham rebelado.

 

Quanto à estratégia de Putin: para quem não sabe, a Crimeia é um território russo que foi entregue à República Socialista Soviética da Ucrânia pela URSS em 1954, muito provavelmente por razões administrativas. Olhem para o mapa e perceberão porquê. Quando Putin pegou na Rússia em cacos e se propôs levantá-la, sem dúvida que não estava em condições, na altura, de reinvidicar a Crimeia. Se se aventurasse em pura e simplesmente reconquistar a Crimeia russa pela força militar, desrespeitando a soberania de um estado reconhecido pelas ONU, teria criado um conflito global. Mas Putin não é Obama, nem Clinton, nem Bush, e tampouco é presidente dos EUA, portanto não sofre pressões por parte de nenhum complexo militar-industrial que exige regulares invasões de estados soberanos como estratégia de lucro. Daí que Putin tenha esperado pacientemente por um futuro e hipotético momento propício. Obama e a sua selvajaria guerreira foram quem presentearam Putin com essas condições propícias para recuperar a Crimeia: ao despoletar a caça aos russos, os trogloditas ucranianos e seus companheiros mercenários, convidaram Putin a cumprir com uma exigência da constituição russa, a de defender a integridade física de russos dentro e fora da Federação Russa. Traduzido para linguagem de xadrez geopolítico: Putin podia por fim recuperar a província da Crimeia sem provocar uma guerra mundial, assegurando a permanência da sua base naval de incalculável valor estratégico no Mar Negro (porta para o Mar Mediterrâneo). Obama pensava fazer a Rússia perder essa base naval russa na Crimeia, mas acabou por fazer a Ucrânia perder a Crimeia inteira. Bravo Obama, grande jogatana de tiros nos pés!

 

Síria: Depois da barbárie NATOniana na Líbia, seguiu-se a Síria. A Síria tem um antigo pacto de defesa com a Rússia e são entre si aliados estratégicos em ambos os sentidos, embora por razões díspares. No rescaldo da Líbia a máquina de barbárie norte-americana iniciou o assalto à Síria na totalidade impunidade, começando por organizar na Síria uma manifestação civil com mortes de ambos os lados, a receita do costume desde a Operação Ajax no Irão que derrubou o regime socialista e democrático de Mossadeg e instalou a ditadura sanguinária do Xá. A partir daí nunca mais pararam, são dezenas de casos, dou apenas alguns exemplos semelhantes: Brasil 1964, Chile 1971, Venezuela 2002.

 

Digo eu, desconhecendo em grande parte a posição secreta da Rússia de 2011 a 2014, que Putin ter-se-á limitado ao que sabemos: de início uma ajuda material tímida às Forças Armadas da Síria. Com o passar do tempo, um aumento de ajuda militar à Síria que acabou por, mesmo que sem reconhecimento oficial, passar a dispor certamente de homens em solo sírio.

 

Com a farsa de Guta, a do teatralizado "massacre químico" que referi acima, Putin subiu a parada, instalando-se definitivamente na base naval de Tartus (Síria) e enviando uma clara mensagem aos EUA: não vale invadir a Síria. Com a contínua pressão de "red lines" (linhas vermelhas) ultrapassadas por parte do "sanguinário" Al Assad e perante a insistência de Obama em invadir a Síria, Putin saiu-se com uma jogada de mestre. Propôs-se a liquidar o programa de armamento químico da Síria, com o consentimento e apoio de Al Assad, arrumando de uma vez por todas na gaveta a invasão convencional norte-americana que não chegou a acontecer.

 

A partir de junho de 2014, os EUA decidem instalar o Estado Islâmico na Síria, numa nova e rebuscada tentativa já não de conquistar a Síria toda mas sim de criar um estado terrorista sunita na zona de recursos petrolíferos. E fizeram o mesmo no Iraque que, democraticamente elegendo os seus governantes como os EUA haviam imposto, tinha passado a ser governado há anos por xiitas (a maioria religiosa, matemática elementar) que se foram aproximando do Irão também xiita (o que era óbvio para toda a gente menos para os milhares de "estrategas" militares que trabalham no Pentágono) e afastando-se do EUA. Nunca me esquecerei do dia em que o lendário Mahmud Ahmedinejad, na altura presidente do Irão, se deu ao luxo de se passear de camisa aberta pelas ruas de Bagdad, a capital do país mais perigoso do mundo! O Obama para ir mijar leva 100 guarda-costas, e para visitar o Iraque trás uma invasão do Iraque com ele, ahah!

 

Os EUA com o Estado islâmico, e Israel com o seu estado vassalo do Curdistão Iraquiano propuseram-se e realizaram a partição em poucos dias do Iraque em três partes. Apenas os xiitas ficaram sem petróleo! Tal Como a Síria do governo legítimo de Al Assad. Ah, para não falar do Kuwait, esse gamado pelo Inglaterra ao Iraque há umas dezenas de anos. Agora, a correr bem a estratégia de rapina de EUA-Israel, o Iraque fica sem pinga de petróleo, nem o petróleo de Mossul sobrará pois foi roubada aos árabes pelos curdos e pelos israelitas, acontecimento do qual ninguém no Ocidente quer falar, muito menos explicar. Pois deveria ser explicado que os curdos do Iraque (que têm a ajuda de Israel) fazem a partição organizada das riquezas petrolíferas iraquianas com o ISIS (que tem a ajuda dos EUA, Turquia, França, Reino Unido, Arábia Saudita, Catar e por aí fora).

 

Aproveitando o estratégico acordo EUA-Irão de 14 de Julho, e sem perder tempo, Putin assumiu oficial e ostensivamente a defesa do estado sírio pela via militar, e lá estão eles desde há 2 meses revertendo abruptamente o evoluir da situação em favor do estado legítimo da Síria governado por Al Assad e reeleito democraticamente pelo seu povo a meados de 2014. Esse acordo EUA-Irão incluía implicitamente a pacificação da Síria governada por Al Assad, aliado estratégico da potência regional Irão e que, enquanto zona de influência desta potência regional agora supostamente sob a tutela da potência mundial (EUA), deveria passar, em teoria, a partilhar o Médio Oriente com a outra potência regional há muito sob a tutela dos EUA: a Arábia Saudita. Xiitas de um lado, Sunitas do outro. Enfim, alucinações norte-americanas que o Irão sabiamente não respeitará, mesmo que diga que sim maquiavelicamente, ao contrário do que nos querem fazer querer desde a Casa Branca.

 

Por último temos o bombardeiro russo abatido pela Turquia no espaço aéreo sírio de forma claramente premeditada pela NATO, à qual a Rússia informou com um dia de avanço a hora e localização precisas do avião militar abatido. Erdoğan faz portanto figura de parvo ao dizer que se soubesse que o avião era russo não o teria abatido. Um perfeito disparate pois ao mesmo tempo afirma que continuará a abater todos os aviões russos que ponham em perigo a soberania turca, Pior mesmo só a afirmação de Erdoğan segundo a qual o futuro e hipotético abate de um caça turco por parte da força aérea russa no espaço aéreo sírio será considerado por Ancara como um "ataco de agressão da Rússia"! Vejai o ilegal descaramento! Vale tudo nas terras do neo-pachá! Incluindo fazer o contrário do que afirma pois, segundo fontes oficiais gregas e sírias, desde a tarde de dia 25 Novembro (dia em que foi abatido o bombardeiro russo) até hoje, a Turquia não mais violou o espaço aéreo destes 2 países! Para quem não sabe, a média de violações do espaço aéreo grego por caças turcos é de 10 por dia! Ou, que dizer da afirmação de que o avião russo bombardeava uma zona onde apenas se encontram civis? Ah sim, então por que raio o piloto russo foi abatido a tiro por terroristas enquanto caía de para-quedas, facto provado pelos vídeos de telemóvel dos próprios terroristas? E por que raio o helicóptero russo de resgate foi destruído por um rocket norte-americano lançado por terroristas (turcomenos sírios liderados por um cidadão turco, filho de um presidente de câmara de uma cidade turca) que também filmaram a façanha e da qual resultou a morte de um comando russo? Erdoğan, definitivamente, é deficiente mental!

 

Mas voltemos a Putin. Este, uma vez mais, não reagiu tresloucada e emocionalmente ao abate de bombardeiro russo, declarando guerra à Turquia (NATO) e dando início a uma guerra nuclear, como poderia esperar a Ditadura Económica Mundial ansiosa por uma carnificina à escala planetária. Não, estacionou um navio de guerra ao largo da Turquia, voltou a interromper as comunicações turcas com o seus ultra-modernos sistemas de guerra electrónica e trouxe para a Síria em tempo recorde o impensável: o impenetrável sistema de defesa S-400 Triumph! Com este último activo, o jogo de xadrez geopolítico na Síria alcançou a completa inversão. Se nos primeiros anos do conflito a ajuda russa à Síria foi secreta e limitada, se a ajuda poderosa e oficial dos últimos meses tem sido apelidada pelo ocidente de "chacina contra rebeldes moderados e civis", agora, com S-400 Triumph, apenas a Rússia decide o que se passa na Síria, ao ponto que os EUA também já cancelaram hoje (29 de Novembro) todos os voos sobre o espaço aéreo sírio. E nem uma acusação mais de infundadas mortes de civis, supostamente vítimas de bombardeamentos russos, por parte dos media e políticos ocidentais. Se Putin tivesse feito cheque ao início com S-400 Triumph, os EUA teriam lançado o tabuleiro ao chão e desatado o conflito nuclear. Jogando sabiamente, na defensiva, mas preparando com muitas jogadas de antecipação as suas jogadas ofensivas, Putin conseguiu lá colocar os S-400 Triumph e receber como reacção de Obama o total consentimento passivo!

 

Agora quem dita ordens é Putin, quem dá sermões é Putin, quem tem legitimidade para fazer avisos é Putin. Tudo isto sem fazer jamais ameaças à NATO e aos seus membros, ao contrário destes. Tudo isto sem disparar uma única vez contra membros da NATO, ao contrário destes! Bravo Putin, bravo!!!

 

Luís Garcia, Lampang, Tailândia, 29.11.2015

 

 

Vídeos de Putin: 

Como os Estados Unidos criaram o ISIS

 

Turkey and ISIS together on stealing Syrian oil

 

Russian S-400, Turkish terrorism & USA betrayal

 

Citações de Putin

 

12063868_1714253228808837_6455500945384505448_n

 

12247179_667446623392781_8055073955466788173_n

 

12249732_667445663392877_6919838551599097767_n

 

12249951_667446006726176_4773904232117816708_n

 

12278779_667446290059481_7717855973185130264_n

 

12278936_667446070059503_7641163189921275202_n

 

12294801_667446456726131_8984143281822032784_n

 

12313729_1731691243731702_504505220456436123_n

 

 

 

FAÇA DOWNLOAD DESTE ARTIGO EM PDF:  PDF

 

 
Vá lá, siga-nos no Facebook! :)
visite-nos em: PensamentosNómadas

Só a ciência pode salvar o mundo

 

 

 

RICARDO MINI copy  SOCIEDADE CIÊNCIA

 

Theodore Zeldin, académico da Universidade de Oxford, criticou recentemente o facto de a meditação estar a levar as pessoas a desperdiçarem tempo precioso que poderiam utilizar para pensar.

 

A meditação é uma ferramenta absolutamente nula no que concerne à resolução de problemas. O tempo dispensado em meditação não serve para mais do que distrair as pessoas. Sendo que a distração é a palavra de ordem de um tempo no qual as pessoas preferem choques elétricos a isolarem-se para pensar.

 

Não será a meditação, baseada numa filosofia niilista, de negação de uma vida irremediavelmente composta de sofrimento e horror, a resolver o que quer que seja. Até compreendo que para pessoas que vivem na mais absoluta miséria, e principalmente em tempos antigos, a meditação e a religião pudessem ser as suas duas únicas fontes de alívio.

 

Hoje em dia, não poderiam representar mais do que duas ferramentas que, por via do ascetismo e da aceitação passiva das condições em que cada um se encontra, havendo uma especial apologia do estado de pobreza, operam a favor do comodismo e da permissividade para com o sistema instituído.

 

Buddha-Weekly-Brain-function-cognitively-enhanced-by-vajrayana-meditation-according-to-research-Buddhism-700x245 (1)

 

As pessoas não precisam de histórias da carochinha, de amigos imaginários omnipotentes nem de promessas de paraísos no além. Precisam, sim, de ultrapassar determinadas barreiras culturais, como sendo o sistema monetário, o nacionalismo, um sistema educativo elaborado com base no modelo iluminista do século XIX no qual ainda impera a distinção entre pessoa académica e não académica, a competição, a noção de propriedade, a noção de castigo, e principalmente todo um sistema de escassez insustentável, não científico e sem fundamento real, sem o qual nem sequer poderia ser suportada uma hierarquização social com base no poder e riqueza ostentados através dos bens materiais. Ideias criadas pelos teóricos de direita que, de uma forma não científica, atribuem à “natureza humana” a malícia associada à competitividade, à ambição ou à ganância.

 

As pessoas não precisam de métodos paliativos, nem de tratamentos sintomáticos. Precisam, isso sim, que seja tratada a doença do capitalismo. As pessoas precisam de acesso incondicional a comida, água potável, casa, cuidados de saúde, ar limpo, educação, informação e cultura relevantes e úteis, um bom sistema de transportes e, acima de tudo, de um planeta com recursos e condições para sustentar vida. E, para isso, temos a ciência e a tecnologia, com a capacidade para basear toda a produção energética necessária em energias renováveis, para gerir os recursos materiais do planeta de uma forma sustentada e de acesso universal, com respeito pelo ambiente e pelos outros animais.

 

O que precisamos é de estimulação do sentido crítico, da curiosidade, de educação científica para debelar dogmas obscurantistas que teimam em permear a cultura hegemónica, de não ter medo da tecnologia quando não instrumentalizada com fins perversos e de percebermos que todos produzimos mais e melhor num sistema cooperativo.

 

Ricardo Lopes

 

 

FAÇA DOWNLOAD DESTE ARTIGO EM PDF:  PDF

 
Vá lá, siga-nos no Facebook! :)
visite-nos em: PensamentosNómadas

Livros de Henry David Thoreau em PDF

 

 

LIVROS EM PDF:

 

ATENÇÃO

O site Pensamentos Nómadas não é proprietário dos ficheiros em PDF, apenas partilha hiperligações disponibilizadas por terceiros na rede. Se as hiperligações deixarem de funcionar, por favor avisem-nos na forma de comentário a este artigo e com toda a brevidade tentaremos encontrar hiperligações substitutas.

 

 
Vá lá, siga-nos no Facebook! :)
visite-nos em: PensamentosNómadas

Livros de Eça de Queirós em PDF

 

Eça de Queirós

LIVROS EM PDF:

 

ATENÇÃO

O site Pensamentos Nómadas não é proprietário dos ficheiros em PDF, apenas partilha hiperligações disponibilizadas por terceiros na rede. Se as hiperligações deixarem de funcionar, por favor avisem-nos na forma de comentário a este artigo e com toda a brevidade tentaremos encontrar hiperligações substitutas.

 

 
Vá lá, siga-nos no Facebook! :)
visite-nos em: PensamentosNómadas

Livros de Machado Assis em PDF

 

LIVROS EM PDF:

 

ATENÇÃO

O site Pensamentos Nómadas não é proprietário dos ficheiros em PDF, apenas partilha hiperligações disponibilizadas por terceiros na rede. Se as hiperligações deixarem de funcionar, por favor avisem-nos na forma de comentário a este artigo e com toda a brevidade tentaremos encontrar hiperligações substitutas.

 

 
Vá lá, siga-nos no Facebook! :)
visite-nos em: PensamentosNómadas

Livros de Boaventura de Sousa Santos em PDF

 

 

Boaventura de Sousa Santos

 LIVROS EM PDF:

 

EXTRA:

 

LIBROS EN PDF:

 

BOOKS IN PDF:

 

ATENÇÃO

O site Pensamentos Nómadas não é proprietário dos ficheiros em PDF, apenas partilha hiperligações disponibilizadas por terceiros na rede. Se as hiperligações deixarem de funcionar, por favor avisem-nos na forma de comentário a este artigo e com toda a brevidade tentaremos encontrar hiperligações substitutas.

 

 
Vá lá, siga-nos no Facebook! :)
visite-nos em: PensamentosNómadas

Livros de Jorge Amado em PDF

 

Jorge Amado

 LIVROS EM PDF:

 

ATENÇÃO

O site Pensamentos Nómadas não é proprietário dos ficheiros em PDF, apenas partilha hiperligações disponibilizadas por terceiros na rede. Se as hiperligações deixarem de funcionar, por favor avisem-nos na forma de comentário a este artigo e com toda a brevidade tentaremos encontrar hiperligações substitutas.

 

 
Vá lá, siga-nos no Facebook! :)
visite-nos em: PensamentosNómadas

Há que protestar pela proibição de protestos!

 

nantes protest copy

 

 POLITICA SOCIEDADE Luís Garcia

 

 

O regime antidemocrático francês, a cada dia que passa, enterra-se mais e mais nas suas profundas contradições. O último tiro no pé flagrante foi decidir interditar a realização de protestos (de todos os géneros, pacíficos incluídos) em território francês por um período de 3 meses. Uma pessoa com um mínimo de sensatez acaba por fazer a sim própria a questão inevitável:  Por que razão o regime de Hollande oprime de tal forma os direitos e a voz do povo tido como soberano?

 

 Mas antes, terá o regime opressivo francês moral suficiente para o fazer? Eu diria que, de forma a ser minimamente aceite, uma medida impopular, ilegal e contraproducente deveria ser tomada por governos ou chefes de estado que se apoiassem sobre uma maioria confortável de apoio popular. Como por exemplo na Síria, onde o presidente (democraticamente eleito em 2014) realiza facilmente decisões complexas, seguro do apoio de mais de 2/3 da população (de acordo com sondagens internas e ocidentais). No caso do regime francês temos o aposto., uma vez que o seu líder é extremamente impopular. De acordo com as sondagens, em Dezembro de 2014 o chefe do regime francês dispunha de um apoio popular de apenas 17%, com tendência descendente.

 

Voltando à questão, parece-me absurdo a decisão do regime francês, não tem nada a ganhar com a medida e tem tudo a perder. É suicídio político do carniceiro que governa a França. Ah sim, França! Interditar protestos pacíficos sem razão nenhuma lógica é contraproducente mas, interditar protestos no país dos protestos (mesmo por tudo e por nada), é como proibir de rezar virado para Meca no regime da Arábia Saudita! Idiotices de estado mazé!!!

 

 

Insisto, interditar protestos por quê? São actos criminosos ou perigosos? Não, são actos de realização de direitos cívicos como a liberdade de expressão e a liberdade de reunião. Ou até de expressão da liberdade artística de quem pinta cartazes ou cria slogans sonantes! Interditar para quê? Para os defender de novos possíveis ataques? Não, para isso já têm os seus serviços secretos e a sua administração interna. É verdade que a primeira se mostra inútil (não digo mais para não ser preso) e a segunda convenientemente caótica, fazendo simulações de ataques terroristas em dia de ataques terroristas reais de forma a não poder acolher às necessidades reais das vítimas reais dos ataques reais! Para quê interditar agora e não antes dos ataques se se sabia que iam haver ataques? Para quê interditar protestos em vez de não deitar para o lixo sem ler o relatório oferecido pelo governo de Assad com a lista de terroristas activos em França? Não quiseram ler porque o relatório vinha "de mãos manchadas de sangue" (que grande treta), e ao fazê-lo proibiram-se a si próprios de descobrir que nele estavam contidos os nomes dos terroristas que atacaram em Paris a 13 de Novembro, acabando assim os puritanos do regime francês por sujar deveras as mãos com sangue. Bom, talvez não tenham lido por já conhecerem o conteúdo! Gostava de acreditar que não é o caso, pois assim sendo estarão é completamente imergidos numa banheira de sangue!

 

Mais, se de facto insistirem com a teoria da treta da necessidade de assegurar a segurança dos seu cidadãos pela negação ostensiva do direito de protestar na ressaca de um atentado terrorista, mmmm, então por que raio o sanguinário presidente francês se lembrou de teatralizar um manifestação (de braços dados com uma dúzia de ditadores ignóbeis) na ressaca dos atentados terroristas de Charlie, a qual resultou num mega protesto da nação francesa na sua capital banhada em choradeira e perdida numa paranóia colectiva de troca de identidades em que todos acreditavam ser Charlie? Alguém explica a dualidade? Mais, a ser verdade que proibir as pessoas de se manifestar pacificamente (França) ou proibir tudo (o fait divers actual belga para encher noticiários com não-notícias) é acto eficaz de luta contra o terrorismo, bom, chega-se a 2 aterradoras conclusões: primeiro, o terrorismo "islâmico" ganha por capota. Segundo, no limite, para a segurança se perpetuar, as "medidas eficazes" ter-se-ão de perpetuar também, de modo que deixa de haver razão para a existência desses 2 estados! Fechem a porta e mudem-se, sei lá, para ali ao lado na Holanda ou Alemanha onde, apesar das fronteiras comuns abertas, não se realizam medidas nenhumas do género! E ficaria sempre bem uma reserva ecológica de quase 600.000 quilómetros quadrados no coração da Europa Ocidental!

 

Le gouvernement invente des terroristes pour justifier des mesures sécuritaires

(François Hollande, 2008)

 

Para finalizar, lembro os leitores que cada vez que se proíbem ou reprimem (e está a haver repressão violenta neste momento às manifestações em França) manifestações em países (democráticos ou não) cujos governos não beijam o cu à Ditadura Económica Mundial, é o fim do mundo nos nossos media de desinformação programada. Quando o regime francês, protectorado manso dos EUA, o faz, os mesmos media desinformam-nos que são "medidas de segurança necessárias". Pois, pois, e quem não se lembra do início da farsa na Síria em 2010, que começou precisamente com repressão sobre manifestações populares... 2 pesos, 2 medidas, o logo por excelência da nossa amada civilização ocidental!

 

Força franceses lúcidos, protestai, protestai, protestai! A melhor forma de provar que não se pode proibir um povo de protestar, é por esse povo todo na rua a protestar. Os gorilas dos CRS ao final do dia também são franceses, e mesmo que a lobotimização seja tal que assim já não pensem, não há polícias do regime francês suficientes para deter os franceses todos. É matemática do 1º ano. E quando o povo todo sai à rua, como o venezuelano saiu aos milhões em 2002 para salvar da morte o seu presidente eleito Hugo Chávez, os vampiros políticos obedientes à máquina capitalista, têm que baixar a cabeça, ajoelhar e passar-se para melhor. No caso do chefe do regime francês, o melhor seria demitir-se e pedir asilo político aos EUA que o formaram enquanto, vampiro e moço de recados!

Viva a França!

 

p.s.: Crítica sintética aos jornalistas parciais e prostituídos do nosso Portugal: pensem 2 vezes antes de usar a palavra "regime"!

 

Luís Garcia, Lampang, Tailândia, 23.11.2015

 

 

FAÇA DOWNLOAD DESTE ARTIGO EM PDF:  PDF

 
Vá lá, siga-nos no Facebook! :)
visite-nos em: PensamentosNómadas

Pág. 1/5